No mesmo dia o RIAS recebeu dois bufos-reais - uma espécie com estatuto de conservação 'Quase ameaçado' em Portugal

No final de janeiro, chegaram ao RIAS dois bufos-reais (Bubo bubo) provenientes do Alentejo. 

Um deles apresentava uma lesão na asa direita que o impedia de voar.

 

Esteve durante algumas semanas numa câmara de recuperação interior para que pudesse repousar e ser vigiado de perto. 


Está atualmente numa instalação maior no exterior - o nosso túnel de 50 metros -, onde poderá treinar o voo e recuperar forças.



O outro bufo aparentava estar numa situação mais complexa. Tinha queimaduras contralaterais (asa esquerda e pata direita), sinais claramente resultantes de eletrocussão. 

Para tratar esta ave foi aplicado um creme para queimaduras e aloe vera diretamente nos ferimentos, e administrados fluídos sub-cutâneos, anti-inflamatório e antibiótico.

 

Geralmente, aves que chegam vivas a centros de recuperação apresentam muitas vezes um avançado estado de debilidade e/ou graves ferimentos, e por isso, a taxa de recuperação de animais eletrocutados é bastante baixa. O ano passado, das 11 aves que ingressaram eletrocutadas e ainda com vida ao RIAS, apenas duas recuperaram e foram libertadas. 

Apesar dos esforços empregues na sua recuperação, este bufo não sobreviveu. Fará agora parte da triste maioria de aves que não sobrevive a eletrocussão. 

 

O que causa a eletrocussão?

A eletrocussão pode acontecer quando uma ave estabelece contacto com dois pontos condutores, permitindo que uma corrente significativa de eletricidade passe através do seu corpo. 
 
A grande maioria destas aves morre imediatamente após o choque elétrico, caso haja passagem de corrente elétrica através do cérebro ou da cavidade torácica, provocando paragem cardíaca e/ou respiratória. Caso isto não aconteça, a queda que a ave sofrerá pode também conduzir à sua morte.   

Dado o seu tamanho, aves de rapina de grande porte estão mais suscetíveis a serem eletrocutadas. Espécies com estatuto de conservação 'Criticamente em Perigo' e 'Em Perigo' - como a Águia-imperial-ibérica e a Águia de Bonelli, respetivamente - são particularmente afetadas pela eletrocussão, acabando por ser um dos fatores importantes na redução do seu efetivo populacional. Mas várias medidas têm sido implementadas com o objetivo de prevenir ou minimizar a eletrocussão. Saiba mais 👉 AQUI


Comentários

Mensagens populares deste blogue

Por favor, não mantenha crias em casa!

7ª edição do Curso Prático: Introdução à Medicina de Fauna Selvagem

Gaivota ingressa no RIAS com miíase (infeção provocada por larvas de mosca)