Mensagens

Várias cegonhas de volta à natureza

Imagem
Desde o início do ano, já entraram no RIAS 37 cegonhas-brancas ( Ciconia ciconia ) vivas. Foram encontradas debilitadas, com traumas de origem desconhecida, atropeladas ou após caírem do ninho. Mas felizmente, quem as encontrou, não ficou indiferente, e fez os possíveis para que chegassem até nós. Destas, 20 recuperaram e foram libertadas durante o decorrer do verão, com padrinhos e madrinhas, e com as pessoas que as resgataram. Um enorme obrigada a todos. 💖 Quatro cegonhas devolvidas à natureza pela equipa do RIAS: Sete cegonhas devolvidas à natureza pela equipa do RIAS e por técnicos da Ambiolhão: Duas cegonhas devolvidas à natureza pelo padrinho Eduardo, a representar os Mercados de Olhão, e o padrinho Colin.

Este verão, dinamizámos quatro atividades em parceria com o Município de Olhão

Através da parceria com o Município de Olhão, dinamizámos quatro atividades durante este verão. 

No âmbito do Dia Mundial do Ambiente visitámos a praia dos Cavacos e a praia da Fuseta-ria, e mais tarde para assinalar o Dia Nacional da Conservação da Natureza fomos até à Armona.

Como forma de sensibilizar habitantes e turistas sobre a importância de proteger a biodiversidade da nossa Ria Formosa, realizámos algumas atividades sobre a chilreta e a gaivota-de-audouin, duas aves marinhas cujo estatuto de conservação em Portugal é 'Vulnerável'.

 





Para finalizar e aproveitando o facto de se celebrar globalmente o Dia Internacional da Limpeza Costeira, fomos até ao Moinho de Maré, na Quinta de Marim, para falar um pouco sobre a grande ameaça que é o lixo marinho e os impactos que tem na nossa fauna. 



Para encerrar este momento, e com a ajuda da Daniela, aproveitámos ainda para devolver à natureza uma gaivota-de-patas-amarelas (Larus michahellis) que esteve em recuperação no nosso centro.





Sete ouriços-cacheiros devolvidos ao seu habitat natural

Sete ouriços-cacheiros (Erinaceus europaeus) foram recentemente devolvidos à natureza após meses em recuperação no RIAS. 


Alguns chegaram ao nosso centro muito pequenos depois de serem encontrados sem progenitores, e sem os quais, não conseguiriam sobreviver. Outros foram vítimas de predação por animais domésticos. 

Felizmente, estes sete ouriços recuperaram e terão agora novas aventuras.