EQUIPA

Fábia Azevedo | Coordenadora


Licenciada em Biologia pela Universidade de Aveiro em 2007, realizou o estágio de fim de curso no Centro de Ecologia, Recuperação e Vigilância de Animais Selvagens (CERVAS), em Gouveia. Desempenhou funções de bióloga e de coordenação de ações de educação ambiental durante um estágio profissional na Associação ALDEIA, em Vimioso, tendo ainda colaborado no projecto Plano de Emergência para a Recuperação de Aves Rupícolas (PEAR) no Parque Natural do Douro Internacional. Assumiu a coordenação do Centro de Recuperação e Investigação de Animais Selvagens (RIAS) no Parque Natural da Ria Formosa, em Olhão, desde maio de 2009, tendo colaborado com inúmeros projetos científicos e de educação ambiental, dentre os quais se destaca o projeto LIFE Trachemys (LIFE09 NAT/ES/000529).

María Casero | Diretora clínica


Licenciada em Medicina Veterinária pela Universidade de Murcia (Espanha) em 2012. Realizou o curso académico 2010/2011 na Universidade de Las Palmas de Gran Canaria (Espanha), e ali se iniciou na recuperação de fauna selvagem no Centro de Recuperación de Fauna Silvestre de Tafira y Taliarte. Em 2012 chegou ao RIAS como voluntária, onde ficou até 2014, ano em que foi veterinária da equipa de arrojamentos do Sul de Portugal no âmbito do projeto "Cetáceos como organismos sentinelas da saúde do meio marinho". Desde 2015 é diretora clínica do RIAS, combinando o seu trabalho com a realização de um mestrado em Conservação da Biodiversidade na Universidade de Huelva (Espanha).

Moisés Corvo Romero | Reabilitação


Formou-se em Auxiliar de Veterinária, no Centro de Formação Técnica de Tierra de Barros (Espanha), e em Estudos Superiores do Meio Natural, no Centro de Formação do Meio Rural de Navalmoral de la Mata (Espanha), após trabalhar quatro anos como voluntário no Centro de Recuperación de Fauna Salvaje da Associación por el Mundo Salvaje (AMUS). Durante esse período realizou uma grande variedade de tarefas, entre as quais tratamento de crias, reabilitação de animais, apoio à enfermaria, e educação ambiental, ao mesmo tempo que reuniu conhecimentos de identificação e aplicação de boas práticas de biomedicina em fauna selvagem. Em 2017, começou a trabalhar no RIAS como responsável pelo tratamento de crias, sendo atualmente o responsável pela reabilitação dos animais ingressados.

Thijs Valkenburg | Marcação e seguimento de animais & monitorizaçãos ambiental


Formou-se como Técnico Ambiental e Florestal na escola profissional MBCS-Velp, em Arnhem, Holanda. Realizou vários estágios curriculares com avifauna, colaborando com a Sociedade Portuguesa para o Estudo das Aves (SPEA) nos Açores, através do projeto LIFE Priolo (LIFE03 NAT/P/000013), e na Madeira, através do projeto LIFE SOS Freira do Bugio (LIFE06 NAT/P/000184), e também na Holanda, com o Centro de Estudos para a Avifauna Holandesa (SOVON). Tem contribuído para diversos projetos científicos, incluindo os projetos Arenaria, LIFE Ilhas santuário para as aves marinhas (LIFE07 NAT/P/000649), Atlas das Aves Nidificantes em Portugal Continental, e Atlas das Aves Invernantes e Migradoras. É anilhador credenciado pelo ICNF e pela Vogelstrekstation (Holanda) e, desde 2011, realiza a marcação e seguimento de animais no RIAS.

António Cotão | Monitorização ambiental


Licenciado em Biologia pela Universidade do Algarve em 2012. Integrou a equipa do RIAS imediatamente após a conclusão do curso, inicialmente como voluntário durante 6 meses, apoiando o centro na manutenção de estruturas, alimentação e tratamento diário de animais. Realizou depois um estágio profissional no qual colaborou no diagnóstico de causas de morte de animais ingressados e em várias ações do projeto LIFE Trachemys (LIFE09 NAT/ES/000529), assumindo posteriormente as tarefas de reabilitação dos animais em recuperação. Desde 2015, tem estado envolvido em diversos projetos aos quais o RIAS presta assessoria técnica, sendo atualmente responsável por estudos de impacto ambiental, acompanhamento e monitorização de avifauna realizados para várias entidades, entre as quais se destaca a construção da nova ETAR Faro – Olhão.

VOLUNTÁRIOS & ESTAGIÁRIOS



Ana Gheorghiu
Nasceu na Roménia há 25 anos, mas tem vivido sobretudo no Canadá. Estudou Conservação na Universidade de British Columbia (Canadá), trabalhou com tartarugas marinhas no Panamá, e com aves de rapina na Grécia. Estará a trabalhar no RIAS até agosto, ao abrigo do Serviço de Voluntário Europeu.




Inês Campos
É natural de Silves e tem 21 anos. Em 2015 iniciou o curso de Zoologia, na Universidade de Reading, em Inglaterra.  Até final de maio, realiza o estágio curricular no RIAS, com o objectivo de seguir carreira profissional na área da Conservação.





Maya Dinapoli
Tem 20 anos e é natural de Alghero, uma cidade no norte da Sardenha, em Itália. Estudou línguas estrangeiras na escola secundária e, após terminar os estudos, trabalhou num aquário situado na sua cidade natal. Estará a trabalhar no RIAS até outubro, ao abrigo do Serviço Voluntário Europeu.





Sarah Kirchmann
Tem 23 anos e vem de Geislingen, na Alemanha. Após a escola primária, estudou numa escola especializada em biologia onde lhe surgiu o interesse em trabalhar com animais. Embora tenha tido diversas profissões, gostaria imenso de trabalhar com animais selvagens. Estará a trabalhar no RIAS até agosto, ao abrigo do Serviço de Voluntário Europeu.



Comentários

Mensagens populares deste blogue

O último mês da Catarina

Devolução à Natureza de dois cágados-mediterrânicos

Muitos animais ingressados, algumas aves libertadas