Mensagens

A mostrar mensagens de Julho, 2019

Dia Mundial do Vigilante da Natureza

Hoje, 31 de Julho, celebra-se em todo o mundo, o Dia Mundial do Vigilante da Natureza, no aniversário da International Ranger Federation.  


Este dia visa destacar o papel crucial dos vigilantes no que diz respeito à proteção de Áreas Protegidas e da Conservação da Natureza.





Entre muitas tarefas, estes profissionais 

 "asseguram, nas respectivas áreas de actuação, as funções de vigilância, fiscalização e monitorização relativas ao ambiente e recursos naturais, nomeadamente no âmbito do domínio hídrico, do património natural e da conservação da natureza."
                       ( N.º 1 do Artigo 2.º do Decreto-Lei n.º 470/99 de 6 de Novembro ) 


Quase todos os dias, o RIAS recebe animais de todo o Algarve e Baixo Alentejo, trazidos por Vigilantes da Natureza (ICNF) que fazem a recolha destes.



Formados para saber como manusear e capturar qualquer animal selvagem, trabalham incansavelmente para que os animais cheguem o mais rápido possível até nós.




Agradecemos a todos os Vigilantes e Guardas Florestais, portugueses e por todo o mundo, pela sua luta diária por um planeta mais saudável.

Clipping Julho 2019



Mais Algarve, 3 de Julho de 2019

Postal, 9 de Julho de 2019

Terra Ruiva, 10 de Julho de 2019

Portugal Resident, 11 de Julho de 2019

Correio da Manhã, 15 de Julho de 2019

Barlavento, 16 de Julho de 2019

Região Sul, 17 de Julho de 2019



Se tiver conhecimento de outras ocorrências do RIAS – Centro de Recuperação e Investigação de Animais Selvagens na comunicação social, por favor informe-nos para rias.aldeia@gmail.com.

5a Marcha Corrida Noturna Solidária RIAS foi um sucesso

Como tem sido tradição nos 4 últimos anos, o RIAS realizou novamente a Marcha Corrida Noturna Solidária, em Olhão. 


Este evento, organizado em parceria com a Câmara Municipal de Olhão e o grupo 'Corridas à 6a Feira',  contou com cerca de 300 participantes, desde os mais pequenos aos mais velhos, a amiguinhos de quatro patas.



Com início e fim junto à Drogaria ETS, os nossos participantes tiveram a oportunidade de percorrer a Quinta de Marim durante a noite, independentemente de escolherem o percurso longo (12 km) ou o percurso mais curto (7 km)


No final de todo este exercício, esperava-os fruta e água, disponibilizadas pelo Intermaché de Olhão.



Agradecemos a todas as entidades que nos apoiaram, sem as quais nada disto seria possível:

  • Câmara Municipal de Olhão, particularmente ao Hélder Oliveira
  • Grupo "Corridas à 6ª Feira" 
  • Junta de Freguesia de Olhão
  • Parque Natural da Ria Formosa
  • Marcha de Olhão - Mexe-te mó
  • PSP Olhão
  • GNR de Olhão
  • Núcleo de Sporting de Olhão
  • Drogaria ETS
  • Tintas Marilina
  • Intermaché de Olhão

O RIAS devolve à Natureza dois guinchos-comuns

O guincho-comum (Chroicocephalus ridibundus) é uma ave que passa geralmente o Inverno em Portugal, sendo raros os casos em que há nidificação. 
A partir de Março é facilmente reconhecido pelo seu capuz castanho, correspondente à plumagem nupcial.


Os dois guinchos que ingressaram no RIAS, apresentavam sintomas de intoxicação alimentar, equivalente aos sintomas que a maioria das gaivotas têm quando aqui ingressam. 

Em dia de Sábado Livre, este animado casal teve o privilégio de poder devolvê-los de novo ao seu habitat natural.




Entre devoluções de cegonhas e andorinhões, foram construídos hotéis para insetos no RIAS

No decorrer desta semana, o RIAS, em conjunto com o Ciência Viva no Verão, realizou a atividade 'Hotel para Insetos'. Após uma breve apresentação sobre o que são insetos e as razões pelas quais precisamos destes animais, foi hora de pôr mãos-à-obra. 

Com diferentes materiais, foram construídas duas estruturas que irão servir de abrigo para diferentes espécies de insetos.  




Ainda no mesmo dia, parte da nossa equipa deslocou-se até Tavira para devolver à Natureza uma cegonha-branca (Ciconia ciconia). Este momento tornou-se ainda mais especial porque a nós, juntaram-se os militares que a encontraram, alguns funcionários do Canil/Gatil de Tavira, e o Presidente da Junta de Freguesia.




Na Quinta-feira recebemos um grupo de campistas do Parque de Campismo do Sindicato dos Bancários do Sul e Ilhas. Apresentámos o nosso trabalho, e de uma forma interativa e informal, conheceram o nosso Centro de Interpretação Ambiental. Puderam tocar em asas de aves de rapina, conhecer as espécies de cágados da fauna portuguesa, e as infelizes causas que trazem muitos animais até ao RIAS.



A semana terminou com a devolução à Natureza de dois andorinhões-pretos (Apus apus) e dois andorinhões-pálidos (Apus pallidus). 

Estas aves chegaram caídos do ninho, e ainda não eram totalmente independentes. Agora recuperados e a alimentar-se, poderão sobreviver por si mesmos.



13 gaivotas devolvidas à Natureza em Sábado Livre

Infelizmente são muitas as gaivotas que nos chegam, desde crias, juvenis a adultos. 

No passado Sábado Livre, devolvemos 6 gaivotas-de-patas-amarelas (Larus michahellis) com quem nos visitou, e mais 7 com a equipa do RIAS. 




Neste momento o RIAS tem quase 100 gaivotas (crias, juvenis e adultas) a recuperar, correspondendo a cerca de 15 kg de alimento preparado diariamente.

Esta semana recebemos o novo diretor do PNRF e o diretor do IPDJ, e libertámos uma coruja-das-torres

Esta semana o novo diretor do Parque Natural da Ria Formosa veio conhecer o RIAS. Conhecer o dia-a-dia do trabalho neste centro é muito importante para que possamos coordenar esforços pelo bem-estar dos animais.



Também nesta visita, recebemos o diretor regional do Instituto Português do Desporto e da Juventude. Veio conhecer as voluntárias que trabalham no RIAS através do projeto Voluntariado Jovem para a Natureza e Florestas, e trazer-lhes alguns materiais que poderão ser úteis nas atividades que desempenham diariamente.



Durante esta semana, foi também altura de devolver à Natureza uma coruja-das-torres (Tyto alba) juvenil, que chegou ao RIAS debilitada. Ainda juvenil e sem voar, não conseguia alimentar-se. Precisou aprender a voar e a caçar antes de poder regressar à natureza.





Sábado Livre para devolver à Natureza uma cegonha juvenil e dois mochos-galegos

Atualmente, o RIAS tem recebido imensas crias/juvenis de aves, desde os mais pequenos como as andorinhas e pardais, a espécies maiores como cegonhas.

No fim-de-semana passado foi altura de devolver à Natureza mais um juvenil de cegonha-branca (Ciconia ciconia) recuperado.


Para isso contámos com a ajuda destes dois corajosos irmãos, que são presença assídua na maioria dos nossos eventos.



Foram ainda devolvidos dois mochos-galegos (Athene noctua) que ingressaram no RIAS há cerca de um mês com sinais de trauma. 

Esta espécie, apesar de noturna, tem hábitos parcialmente diurnos, podendo então ser observada durante o dia.





Esta semana o RIAS contou com a ajuda de várias pessoas e de um ATL para devolver animais à Natureza

Terça-feira foi dia para voltar a libertar na Natureza um andorinhão-preto (Apus apus). Esta espécie alimenta-se a voar, e dorme a voar. Por esta razão, não depende tanto do solo, e as suas curtas patas demonstram isso. Uma vez no chão, não têm capacidade para levantar voo.

Por esta razão, quem o encontrou, trouxe a pequena ave até nós. Após uma curta estadia, foi então devolvido ao seu habitat.



Se quiser descobrir mais curiosidade sobre andorinhões, visite esta página da Wilder: https://www.wilder.pt/seja-um-naturalista/conheca-as-tres-especies-de-andorinhoes-de-portugal/


Ainda neste dia, a equipa do RIAS foi até ao Epic Sana Algarve. Com cerca de 40 hóspedes, devolvemos à Natureza dois peneireiros-vulgares (Falco tinnunculus). Sem a presença dos progenitores, a sobrevivência destes juvenis estava em causa, e por esta razão, foram trazidos até ao nosso centro.




A meio da semana regressaram à Natureza três mochos-galego (Athene noctua). Estas aves ingressaram no RIAS com sinais de trauma, causados possivelmente pelo embate com alguma estrutura (carro, poste, casas, etc) há cerca de um mês. Agora a voar e a caçar, conseguirão sobreviver sozinhos.

Estas três corajosas crianças tiveram o privilégio de ajudar neste momento.







Quinta-feira foi um dia em cheio! Para além da libertação de 3 corujas-do-mato (partilhado no nosso facebook e instagram), recebemos um grupo de ATL da escola da Cavalinha para visitar o nosso Centro de Interpretação Ambiental.

Aqui, aprenderam que as espécies de gaivotas mais comuns nas praias portuguesas são a gaivota-de-patas-amarelas e gaivota-d'asa-escura. Sabendo agora quais as diferenças, esperamos que na próxima ida à praia, desafiem os pais a identificá-las. 

Chegados à zona da exposição de rapinas, o fascínio tomou conta da visita. O silêncio das asas de coruja, o tamanho da asa e esqueleto de um grifo ou mesmo as garras afiadas de um bufo-real fez as delícias destas crianças.


No final, ainda nos ajudaram a devolver um peneireiro-vulgar à Natureza.


Obrigada pela vossa visita e simpatia.


Falcão-peregrino eletrocutado está a recuperar no RIAS

Há cerca de um mês, ingressou no RIAS mais um falcão-peregrino (Falco peregrinus). Relembramos que este ano recebemos outros dois, vítimas de tentativa de abate por tiro. 

Desta vez, este que é o animal mais rápido do planeta, foi encontrado numa praia de difícil acesso na zona de Albufeira. Felizmente, quem o encontrou não desistiu até conseguir recolher a ave e trazê-la imediatamente até nós. 

Após exame físico, foi visível sinais correspondentes a eletrocussão. As asas tinham queimaduras junto aos metacarpos, correspondentes à entrada e saída da descarga elétrica.

Continuação do tratamento com anti-inflamatório e aloé vera, 10 dias após ingresso.

A eletrocussão é a causa de ingresso com menos probabilidade de recuperação, pois as lesões costumam ser graves e irreversíveis.


A resposta positiva deste falcão ao tratamento, e os esforços da equipa veterinária estão a permitir a sua rápida recuperação. 

Ferimentos quase cicatrizados, 23 dias após ingresso.

Neste momento já foi transferido para as instalações exteriores, onde poderá treinar o voo e ganhar massa muscular.


Ferimentos cicatrizados, 1 mês após ingresso.



3 cegonhas juvenis de volta à Natureza

No Sábado Livre que passou recebemos cerca de 25 pessoas para nos ajudar a devolver à Natureza 3 cegonhas-brancas (Ciconia ciconia).

Todas elas eram juvenis que poderão ter caído do ninho, e precisavam ser observadas para excluir lesões provocadas pela queda (os ninhos são geralmente construídos em locais altos).


Enquanto juvenis, a cor do seu bico ainda não é totalmente laranja, embora o tamanho do corpo e as penas já correspondam às características de um adulto.


Com o auxílio destes fantásticos ajudantes, estas 3 aves poderão agora voar em liberdade.



Mais 6 andorinhas e 16 gaivotas devolvidas à Natureza

Na Terça-feira foi dia para 3 andorinhas-dos-beirais (Delichon urbicum) voltarem a estar na Natureza. Chegaram há cerca de um mês ainda sem conseguir voar, e estavam então prontas a sobreviver por si mesmas. 




Hoje, Sexta-feira devolvemos mais 3 andorinhas da mesma espécie.


Para além destas, 16 gaivotas-de-patas amarelas (Larus michahellis) também foram devolvidas à Natureza depois de algum tempo a recuperar

Continuamos com cerca de 40 gaivotas em recuperação na instalação exterior, que esperamos libertar em breve.