O RIAS é o Centro de Recuperação e Investigação de Animais Selvagens da Ria Formosa e está localizado em Olhão. Desde meados de 2009 a sua gestão está a cargo da Associação ALDEIA, em parceria com o Instituto da Conservação da Natureza e das Florestas (ICNF) e a ANA-Aeroportos de Portugal, através do Aeroporto de Faro.

segunda-feira, 20 de agosto de 2018

Devoluções à Natureza de dia 10 de Agosto

Devolução à Natureza de três mochos-galegos (Athene noctua)
Quinta de Marim - Olhão
10 de Agosto de 2018




Foram devolvidos à Natureza três mochos-galegos recuperados no RIAS. Destes três mochos um deles ingressou no Centro por ter sido vítima de um atropelamento e os restantes por terem caído dos seus ninhos. No caso do mocho atropelado o processo de recuperação consistiu em cuidar dos traumatismos que este sofreu e monitorizar a sua evolução e comportamento para perceber se não tinham ocorrido danos ao nível do sistema neurológico. No caso das duas crias que caíram do ninho a recuperação consistiu na sua alimentação até que começassem a caçar e, com a ajuda de outros mochos em recuperação, iniciar treinos de voo. Assim que todos começaram a caçar e a voar em perfeitas condições, foram devolvidos à Natureza na companhia de alguns dos seus padrinhos.



Devolução à Natureza de uma coruja-das-torres (Tyto alba) e de uma coruja-do-mato (Strix aluco)
Quinta de Marim - Olhão
10 de Agosto de 2018




Estas duas corujas ingressaram no RIAS após terem sido encontradas algo debilitadas. Tratavam-se de duas aves jovens que caíram dos seus ninhos há pouco tempo. Como não apresentavam qualquer tipo de lesões o processo de recuperação consistiu numa alimentação adequada disponibilizada com frequência até que começassem a caçar. Os treinos de caça e de voo iniciaram-se pouco depois e, assim que se verificou que estavam em perfeita forma, foram devolvidas à Natureza.




Devolução à Natureza de um noitibó-de-nuca-vermelha (Caprimulgus ruficollis) e de uma rola-turca (Streptopelia decaocto)
Quinta de Marim - Olhão
10 de Agosto de 2018




Um noitibó-de-nuca-vermelha e uma rola-turca foram devolvidos à Natureza. A rola era uma cria que foi encontrada após cair do seu ninho e o noitibó apresentava uma rotura de um saco aéreo. Em ambos os casos o processo de recuperação foi rápido e, ao fim de alguns treinos de voo , foram devolvidos à Natureza.





Devolução à Natureza de 13 gaivotas-de-patas-amarelas

Devolução à Natureza de 13 gaivotas-de-patas-amarelas (Larus michahellis)
Quinta de Marim - Olhão
9 de Agosto de 2018


Foram devolvidas à Natureza 13 gaivotas-patas-amarelas na Quinta de Marim, em Olhão. Destas 13 gaivotas, 7 ingressaram no RIAS provenientes de quedas de ninho, 3 estavam bastante debilitadas, uma com um traumatismo, outra presa numa rede de pesca e, finalmente, outra foi atacada por um animal doméstico. Todos estas causas de ingresso no nosso Centro espelham bem quais são as principais razões de ingresso de animais desta espécie em Centros de Recuperação, mas também, quais são algumas das suas ameaças. Os materiais de pesca abandonados no mar/rio e os ataques causados por animais selvagens são ameaças importantes a estas espécies de aves marinhas. O processo de recuperação varia bastante de caso para caso mas, no final do processo, têm de ser cumpridas duas etapas: o animal tem de saber alimentar-se sozinho e, no caso das aves; tem de conseguir voar em perfeitas condições. Assim que estas 13 aves cumpriram estes dois requisitos, foram devolvidas à Natureza.







Devolução à Natureza de uma andorinha-dáurica e de um andorinhão-preto

Devolução à Natureza de uma andorinha-dáurica (Cecropis daurica) e de um andorinhão-preto (Apus apus)
Quinta de Marim - Olhão
9 de Agosto de 2018



Foram devolvidos à Natureza uma andorinha-dáurica e um andorinhão-preto na Quinta de Marim, em Olhão. Estas duas aves foram encontradas após terem caído dos seus ninhos. Por se tratarem de crias, foram alimentadas à mão durante os primeiros dias no Centro. Assim que começaram a alimentar-se sozinhos foram colocados com outras aves da mesma espécie para iniciarem os treinos de voo. 






Assim que se verificou que ambas as aves estavam a voar em óptimas condições, foram devolvidas à Natureza.



Devolução à Natureza de um pintassilgo

Devolução à Natureza de um pintassilgo (Carduelis carduelis) 
Quinta de Marim - Olhão
6 de Agosto de 2018




Foi devolvido à Natureza um pintassilgo na Quinta de Marim, em Olhão. Esta ave foi encontrada após ter caído do seu ninho. No tempo que estive em recuperação aqui no RIAS foi alimentada com bastante frequência e com alimento adequado para que atingisse uma boa condição física. Assim que começou a alimentar-se sozinho, os treinos de voo foram iniciados. Quando se verificou que o pintassilgo voava em perfeitas condições, foi prontamente devolvido à Natureza.




quinta-feira, 16 de agosto de 2018

Voluntariado Escoteiros Belgas

No passado mês de Julho, entre os dias 16 e 22, o RIAS recebeu um grupo de escoteiros Belgas. Estes sete voluntários ajudaram em tarefas de manutenção do Centro. 







O RIAS agradece o trabalho incansável destes voluntários e espera poder contar com mais grupos como este no futuro!


sexta-feira, 10 de agosto de 2018

Hora do Conto



No passado dia 25 de Julho o RIAS realizou a actividade "Hora do Conto". Em parceria com a Câmara Municipal de Olhão, esta actividade consiste na narração do conto "Mauro e Emília - os nossos cágados estão em perigo. Vamos ajudá-los!", de Ana Mafalda Alves. 


Esta é um história que fala sobre a vida de dois cágados autóctones e sobre as suas ameaças e desafios diários.  Fala também sobre outras espécies de animais selvagens com quem estes cágados partilham o seu habitat.



quinta-feira, 9 de agosto de 2018

Devolução à Natureza de três peneireiros-comuns

Devolução à Natureza de três peneireiros-comuns (Falco tinnunculus)
Vila Vita Parc - Porches
4 de Agosto de 2018





Foram devolvidos à Natureza três peneireiros-comuns recuperados no RIAS. Estas três aves caíram todas do mesmo ninho e foram recolhidas pouco depois e encaminhadas para o nosso Centro. 



Aqui foram alimentadas com bastante frequência nos primeiros dias, até que começassem a alimentar-se sozinhos e atingissem uma condição física ideal. Seguidamente iniciaram-se os treinos de voo, numa instalação onde estavam mais peneireiros em recuperação. O contacto com outros indivíduos da mesma espécie é especialmente importante no processo de recuperação de animais órfãos como estes três peneireiros. Passado algum tempo, e assim que tivemos a confirmação de que conseguiam caçar e voar em perfeitas condições, foram devolvidos à Natureza. 



Este momento foi partilhado com os hóspedes do Vila Vita Parc, em Porches, a quem queremos mais uma vez agradecer pelo seu importante apoio na recuperação destes e muitos outros animais!



Devoluções à Natureza de dia 3 de Agosto

Devolução à Natureza de um ouriço-cacheiro (Erinaceus europaeus), de uma cobra-rateira (Malpolon monspessulanus) e de quatro morcegos-anões (Pipistrellus pipistrellus)
Quinta de Marim - Olhão
3 de Agosto de 2018




Foi devolvido à Natureza, no passado dia 3 de Agosto, um ouriço-cacheiro recuperado no RIAS. Este ouriço foi capturado acidentalmente num local pouco seguro para um animal desta espécie e, por não apresentar qualquer tipo de lesões, foi devolvido à Natureza pouco depois. 


Foi devolvida à Natureza uma cobra-rateira no mesmo dia. Esta cobra foi também encontrada num local pouco seguro e, como não apresentava qualquer lesão, foi devolvida à Natureza na Quinta de Marim.



Quatro morcegos-anões foram também devolvidos à Natureza na mesma noite. Estes pequeno mamíferos foram encontrados quando ainda eram uma crias, após terem caído dos seus ninhos. 


Foram alimentados à mão durante os primeiros tempos aqui no RIAS, até começarem a alimentar-se sozinhos. Foram realizados alguns treinos de voo e, quando estes estavam prontos, foram finalmente libertados.




Estas devoluções à Natureza foram realizadas durante a actividade de "Observação Nocturna de Camaleões" realizada em parceria com a Câmara Municipal de Olhão. Os participantes, além de terem tido a oportunidade de observar alguns exemplares deste réptil tão carismático, foram também presenteados com a devolução à Natureza destes seis animais!


Devolução à Natureza de quatro andorinhas-dáuricas e de uma andorinha-dos-beirais

Devolução à Natureza de quatro andorinhas-dáuricas (Cecropis daurica) e de uma andorinha-dos-beirais (Delichon urbicum)
Quinta de Marim - Olhão
4 de Agosto de 2018




Quatro andorinhas-dáuricas e uma andorinhas-dos-beirais foram devolvidas à Natureza no dia 4 de Agosto na Quinta de Marim, em Olhão. Estas cinco andorinhas foram encontradas após terem caído dos seus ninhos. Por se tratarem de crias a sua recuperação consiste em disponibilizar alimentação adequada e em abundância e, numa segunda fase, realizar treinos de voo. Assim que começaram a voar em condições e a alimentar-se sozinhas, as cinco andorinhas foram devolvidas à Natureza. 






Devoluções à Natureza de dia 2 de Agosto

Devolução à Natureza de um cuco-canoro (Cuculus canorus)duas cegonhas-brancas (Ciconia ciconia), um cágado-mediterrânico (Mauremys leprosa) e um ouriço-cacheiro (Erinaceus europaeus)     
Quinta de Marim - Olhão
2 de Agosto de 2018





Foi devolvido à Natureza um cuco-canoro que ingressou no RIAS por ter sido encontrado após cair do seu ninho. A sua recuperação consistiu, numa primeira fase, na disponibilização de alimento adequando em abundância, seguido de um período de treinos de voo juntamente com aves na mesma espécie. Assim que começou a alimentar-se sozinho e a voar perfeitamente, foi devolvido à Natureza. 



As duas cegonhas-brancas também ingressaram por terem caído dos seus ninhos. Uma das cegonhas fracturou uma clavícula aquando da queda do ninho, dificultando desta forma o processo de recuperação. 




No caso destas duas aves, a fase mais importante da sua recuperação foi o treino de voo numa, instalação onde estavam outras cegonhas em recuperação. Assim que começaram a voar em perfeitas condições e a alimentar-se sozinhas foram devolvidas à Natureza.



Um cágado-mediterrânico foi devolvido à Natureza proveniente de uma situação de cativeiro ilegal. Por ter passado um grande período em cativeiro eram visíveis as mazelas no seu corpo causadas por uma má nutrição e instalações inadequadas. 





O processo de recuperação consistiu em tratamentos para fungos e bactérias presentes nas escamas deste cágado. Terminado o tratamento, e como este animal se alimentava sozinho, foi finalmente devolvido à Natureza.


Foi também devolvido à Natureza um ouriço-cacheiro que ingressou no RIAS por ter sido encontrado ainda cria. Este animal só pôde ser libertado após ter atingido uma condição física que nos permitisse ter garantia que sobreviveria na Natureza. 



terça-feira, 7 de agosto de 2018

Devolução à Natureza de dois mochos-galegos

Devolução à Natureza de dois mochos-galegos (Athene noctua) 
Albufeira - EPIC SANA Algarve Hotel
1 de Agosto de 2018





Dois mochos-galegos foram devolvidos à Natureza em Albufeira no passado dia 1 de Agosto. Ambas as aves ingressaram no RIAS por se tratarem de crias que tinham caído do ninho.


A recuperação de animais órfãos consiste principalmente em garantir que conseguem atingir um condição física ideal o mais rapidamente possível, recorrendo a uma alimentação adequada e com alguma abundância. Outra etapa do processo de recuperação são os treinos de voo e de caça. Estes são executados na companhia de outros mochos da mesma espécie e numa instalação exterior onde os mochos mais novos podem aprender com alguns mochos adultos, em recuperação no RIAS.




 Assim que estas duas aves começaram a alimentar-se sozinhas e a voar correctamente, foram devolvidas à Natureza. 



O RIAS agradece o apoio prestado pelo EPIC SANA Algarve Hotel na partilha deste momento com os seus hóspedes.