O RIAS é o Centro de Recuperação e Investigação de Animais Selvagens da Ria Formosa e está localizado em Olhão. Desde meados de 2009 a sua gestão está a cargo da Associação ALDEIA, em parceria com o Instituto da Conservação da Natureza e das Florestas (ICNF) e a ANA-Aeroportos de Portugal, através do Aeroporto de Faro.

sexta-feira, 30 de junho de 2017

Devolução à Natureza de 3 andorinhas-das-chaminés e um melro-preto

Devolução à Natureza de 3 andorinhas-das-chaminés (Hirundo rustica) e um melro-preto (Turdus merula)
Quinta de Marim - Olhão
23 de Junho de 2017



Estas 3 andorinhas e este melro-preto ingressaram no RIAS em diferentes datas e vindos de diferentes partes do Algarve, mas todos pelo mesmo motivo: queda de ninho.
Não apresentavam lesões e a sua recuperação consistiu apenas em alimentação adequada até que conseguissem voar e alimentar-se sozinhos.


Devolução à Natureza de um melro-preto

Devolução à Natureza de um melro-preto (Turdus merula)
Quinta de Marim - Olhão
21 de Junho de 2017



Este melro-preto foi encontrado, por um particular, após ter caído do ninho. A sua recuperação consistiu em alimentação adequada até que crescessem todas as penas necessárias ao voo.
Foi devolvido à natureza por quem o encontrou.


terça-feira, 27 de junho de 2017

Devolução à Natureza de 5 melros-pretos e uma pega-azul

Devolução à Natureza de 5 melros-pretos (Turdus merula) e uma pega-azul (Cyanopica cooki)
Quinta de Marim - Olhão
20 de Junho de 2017


Estes cinco melros e a pega-azul chegaram-nos por serem pequenas crias ainda sem capacidade para voar ou sobreviverem sozinhas. A sua passagem pelo RIAS consistiu em fornecer alimentação adequada de 2h em 2h até comerem sozinhas. Posteriormente, foram submetidas a treinos de voo.


Devoluções à Natureza de dia 19 de Junho de 2017

Devolução à Natureza de três andorinhões-pretos (Apus apus) e uma andorinha-dos-beirais (Delichon urbica)
Quinta de Marim - Olhão
19 de Junho de 2017



Três crias de andorinhão-preto e uma andorinha-dos-beirais foram encontradas depois de ter caído do ninho. Um dos andorinhões foi encontrado ainda sem penas e com os olhos fechados (ver foto abaixo).
A sua recuperação consistiu em fornecer alimentação adequada até que crescessem todas as penas necessárias ao voo.

Cria de Andorinhão-preto ainda sem penas (Foto: Centro de Ciência Viva do Algarve)
Foram devolvidos à natureza por quem encontrou um dos animais e por colaboradores do RIAS.





Devolução à Natureza de uma poupa (Upupa epops)
Quinta de Marim - Olhão
19 de Junho de 2017



Uma poupa foi encontrada por um particular. Tinha uma asa fracturada pelo que foi necessário fazer ligadura para imobilizar a fractura e permitir uma correcta ossificação. 
Após retirar a ligadura foi submetida a treinos de voo. 



Foi devolvida à natureza por voluntários e colaboradores do RIAS.




Devolução à Natureza de 5 gaivotas-de-patas-amarelas (Larus michahellis)
Quinta de Marim - Olhão
19 de Junho de 2017



Três destas gaivotas ingressaram no RIAS devido a debilidade e doença. Estavam muito fracas para se alimentar sozinhas ou manter de pé. A sua recuperação consistiu em alimentação assistida até ganharem forças.


As outras duas tinham feridas na asa, sendo que uma foi atingida por tiro e apresentava também fractura. As feridas foram limpas e desinfectadas e foi administrado anti-inflamatório. No caso da gaivota com fractura foi também necessário imobilizar a asa afectada.

No final da recuperação foram todas submetidas a treinos de voo.
Foram devolvidas à natureza por voluntários e técnicos do RIAS. 


quarta-feira, 21 de junho de 2017

Devolução à Natureza de um andorinhão-preto

Devolução à Natureza de um andorinhão-preto (Apus apus)
Quinta de Marim - Olhão
18 de Junho de 2017


Um andorinhão-preto foi encontrado em Faro, no chão. Estava um pouco debilitado, mas não tinha lesões. A sua recuperação foi rápida e consistiu apenas em alimentação. 
Foi devolvido à natureza por um voluntário do RIAS.

Actividade Pais e Crias: "Os morcegos"


No passado Sábado, dia 17 de Junho, o RIAS realizou a quarta actividade "Pais e Crias", um conjunto de actividades direccionadas para famílias e que são de participação gratuita devido ao apoio da Câmara Municipal de Olhão. 


O tema desta actividade foi "Os morcegos". Durante uma pequena palestra os participantes ficaram a saber quantas espécies de morcegos existem em Portugal e no mundo, o que comem os morcegos (é verdade de alguns bebem sangue?) e porque dormem de cabeça para baixo. 


Depois de aprenderem mais sobres este grupo de mamíferos, os mais pequenos construíram morcegos com reutilização de rolos de papel.



Com apoio:

terça-feira, 20 de junho de 2017

Devolução à Natureza de uma águia-d'asa-redonda

Devolução à Natureza de uma águia-d'asa-redonda (Buteo buteo)
Circuito de Manutenção dos Pinheiros de Marim - Olhão
16 de Junho de 2017


Uma águia-d'asa-redonda ingressou no RIAS após ter sido encontrada um pouco debilitada. A sua recuperação consistiu em alimentação adequada para recuperar uma boa condição física e posteriores treinos de voo e de caça.


Esta águia foi libertada no Dia da Cidade de Olhão com o objectivo de não só celebrar esta data, como assinalar a inauguração do novo espaço do circuito de manutenção dos Pinheiros de Marim. 



Foi a Ministra do Mar, Ana Paula Vitorino, que devolveu à natureza a águia que baptizou de "Mar".




Devolução à Natureza de uma andorinha-dos-beirais e um andorinhão-preto

Devolução à Natureza de uma andorinha-dos-beirais (Delichon urbica) e um andorinhão-preto (Apus apus)
Quinta de Marim - Olhão
15 de Junho de 2017



A andorinha-dos-beirais foi encontrada após cair do ninho. Não tinha lesões e a sua passagem pelo RIAS consistiu em alimentação adequada e treinos de voo.
O andorinhão-preto ingressou sem qualquer lesão e foi prontamente devolvido à natureza. 






Devolução à Natureza de duas andorinhas-dos-beirais

Devolução à Natureza de duas andorinhas-dos-beirais (Delichon urbicum)
Quinta de Marim - Olhão
10 de Junho de 2017


Estas andorinhas foram encontrada em Faro e Tavira, respectivamente. Ambas eram pequenas crias que caíram do ninho ao tentar o primeiro voo. Apesar dos pais continuaram a alimentar as crias quando estas caiem ao chão, estas duas andorinhas estavam vulneráveis a vários perigos pelo que foram entregues no RIAS. 
Foram devolvidas à natureza por quem as encontrou.








Devoluções à Natureza de dia 9 de Junho de 2017

Devolução à Natureza de um milhafre-preto (Milvus migrans) e um grifo (Gyps fulvus)
Alcaria Ruiva - Mértola
9 de Junho de 2017



O milhafre-preto ingressou no RIAS devido a electrocussão. Estava debilitado, tinha vários hematomas pelo corpo e apresentava uma grande ferida no peito. Foi tratado com antibiótico e anti-inflamatório. Relativamente à ferida no peito foi necessário limpar e desinfectar todos os dias nas primeiras semanas. As feridas de electrocussão são sempre queimaduras muito graves e profundas.

Ferida quando chegou


Ferida no final da recuperação

Ferida no momento da devolução à natureza

O grifo foi encontrado na zona de Beja com uma corda presa numa pata. Foi necessário limpar e desinfectar a ferida provocada pela corda e aplicar panos quentes na zona para activar a circulação. 



No final da recuperação foram ambos submetidos a treinos de voo. Foram devolvidos à natureza por vigilantes da natureza do ICNF.


Devolução à Natureza de um verdilhão (Chloris chloris)
Quinta de Marim - Olhão
9 de Junho de 2017


Este verdilhão colidiu contra uma janela tendo ficado atordoado. Quando foi entregue no RIAS já se encontrava bem e não tinha qualquer lesão. Assim foi prontamente devolvido à natureza por quem o encontrou.




Devolução à Natureza de um pardal-comum (Passer domesticus)
Quinta de Marim - Olhão
9 de Junho de 2017

Um pardal foi encontrado por um grupo de crianças numa escola em Olhão. Era uma pequena cria que caiu do ninho e foi necessário alimentá-lo até que desenvolvesse todas as penas necessárias ao voo.
Foi devolvido à natureza por quem o encontrou e ficou baptizado como "Pipoquinha".


Devolução à Natureza de dois ouriços-cacheiros (Erinaceus europaeus)
Quinta de Marim - Olhão
9 de Junho de 2017



Um destes ouriços foi encontrado quando era ainda uma pequena cria e o outro era um adulto que estava um pouco fraco. Em ambos os casos foi necessário fornecer alimentação adequada até terem uma boa condição corporal para serem devolvidos à natureza.





terça-feira, 13 de junho de 2017

Devoluções à Natureza de dia 8 de Junho de 2017

Devoluções à Natureza de um coruja-do-mato (Strix aluco)
Albufeira
8 de Junho de 2017




Uma coruja-do-mato foi encontrada após ter caído do ninho. Não apresentava lesões pelo que a sua recuperação consistiu apenas em alimentação adequada e posteriormente treinos de voo e de caça.
Foi devolvida à natureza por quem o encontrou.




Devoluções à Natureza de um mocho-galego (Athene noctua)
Quinta de Marim - Olhão
8 de Junho de 2017



Um mocho-galego ficou preso na chaminé de uma habitação. Como não tinha lesões e se sabia que era um progenitor com crias foi rapidamente devolvido à natureza no local onde fui encontrado. 





Educação Ambiental na EB 1 da Mesquita


No passado dia 6 de Junho o RIAS deslocou-se à EB nº1 da Mesquita para uma actividade de educação ambiental. Cerca de 35 crianças do 1ºciclo e 10 adolescentes de uma turma convidada do 9º ano assistiram a uma palestra sobre o RIAS e sobre os ouriços-cacheiros.


No final devolveram à natureza um ouriço recuperado no RIAS. 


Devolução à Natureza de um ouriço-cacheiro (Erinaceus europaeus)
Mesquita - São Brás de Alportel
6 de Junho de 2017


Um ouriço-cacheiro ingressou no RIAS devido a intoxicação por rodenticidas. O seu tratamento consistiu em administração de vitamina k. Após recuperar da intoxicação foi necessário ganhar peso e recuperar uma boa condição corporal.


Foi devolvido à natureza pelos alunos da EB nº1 da Mesquita que o baptizaram de "Picante".

Saída de Campo: Observação de Répteis


No passado dia 3 de Junho, realizou-se mais uma saída de campo organizada com o apoio da Câmara Municipal de Olhão. Desta vez, o objectivo foi a observação de reptéis. 



Os animais estavam bastante "tímidos" e não foi possível observar tantas espécies como gostaríamos. No entanto, foi possível ver as duas espécies de cágados autóctones, o cágado-medeiterrânico e o cágado-de-carapaça-estriada. Tivemos também a sorte de ver um camaleão-comum.



Apoio: