O RIAS é o Centro de Recuperação e Investigação de Animais Selvagens da Ria Formosa e está localizado em Olhão. Desde meados de 2009 a sua gestão está a cargo da Associação ALDEIA, em parceria com o Instituto da Conservação da Natureza e das Florestas (ICNF) e a ANA-Aeroportos de Portugal, através do Aeroporto de Faro.

terça-feira, 3 de janeiro de 2017

Devoluções à Natureza de dia 31 de Dezembro de 2016

Devolução à Natureza de uma gaivota-d'asa-escura (Larus fuscus)
Estombar- Lagoa
31 de Dezembro de 2016


Esta gaivota-d'asa-escura ingressou no RIAS devido a doença. Estava muito debilitada e o seu tratamento consistiu em fluido-terapia e alimentação assistida.
Quando recuperou forças foi colocada numa câmara exterior para treinar o voo. 
A gaivota foi apadrinhada e devolvida à natureza pela sua madrinha. 



Devolução à Natureza de uma águia-d'asa-redonda (Buteo buteo)
Estombar - Lagoa
31 de Dezembro de 2016


Uma águia-d'asa-redonda foi encontrada em Vila do Bispo e encaminhada para o RIAS pelos vigilantes da natureza do Parque Natural da Ria Formosa. Verificou-se que o animal tinha estado em cativeiro ilegal. Foi necessário colocá-lo a socializar com outro animal da mesma espécie e foi submetido a treinos de voo e caça. 


Quem o apadrinhou devolveu-o à natureza.



Devolução à Natureza de três mochos-galegos (Athene noctua)
Silves
31 de Dezembro de 2016


Estes três mocho ingressaram no RIAS em diferentes ocasiões e por diversos motivos. Um deles encontrava-se apenas um pouco debilitado, outro tinha caído do ninho e o terceiro foi atropelado.
No caso dos dois primeiros a sua recuperação consistiu apenas em alimentação adequada, treinos de voo e de caça. 
O mocho vítima de atropelamento apresentava um olho hemorrágico e tinha sangue no ouvido. Foi necessário aplicar tratamento oftalmológico no olho afectado, mas acabou por ficar cego do mesmo. Apesar disso foi bem sucedido nos treinos de caça e pode ser devolvido à natureza.


Sem comentários: