O RIAS é o Centro de Recuperação e Investigação de Animais Selvagens da Ria Formosa e está localizado em Olhão. Desde meados de 2009 a sua gestão está a cargo da Associação ALDEIA, em parceria com o Instituto da Conservação da Natureza e das Florestas (ICNF) e a ANA-Aeroportos de Portugal, através do Aeroporto de Faro.

sexta-feira, 30 de dezembro de 2016

Devoluções à Natureza de dia 30 de Dezembro de 2016

Devoluções à Natureza de 4 gaivotas-de-patas-amarelas (Larus michahellis) e 4 gaivotas-d'asa-escura (Larus fuscus)
Quinta de Marim - Olhão
30 de Dezembro de 2016




A maioria destas gaivotas ingressou devido a doença. Encontravam-se bastante debilitadas, com dificuldades em se manter em pé ou mesmo alimentar-se. Nos primeiros dias foram tratadas com fluido-terapia e posteriormente foi-se auxiliando na alimentação até terem forças para se alimentar sozinhas. 



Uma destas gaivotas chegou-nos com uma fractura de cúbito. O seu tratamento consistiu em imobilizar a asa afectada e posteriormente realizar sessões de fisioterapia. 
No final foram todas submetidas a treinos de voo. Uma delas foi devolvida à natureza por quem a encontrou e as restantes por técnicos do RIAS e visitantes do Parque Natural da Ria Formosa.




Devoluções à Natureza de um peneireiro-comum (Falco tinnunculus)
Quinta de Marim - Olhão
30 de Dezembro de 2016


Um peneireiro-comum foi encontrado em Luz de Tavira depois de ter colidido contra uma estrutura. Devido à colisão fracturou a clavícula da asa esquerda. Foi necessário administrar anti-inflamatório e imobilizar a asa afectada até que a fractura ossificasse. 
No final da recuperação foi submetido a treinos de voo e de caça.






Devoluções à Natureza de um guincho-comum (Larus ridibunbus)
Quinta de Marim - Olhão
30 de Dezembro de 2016



Um guincho-comum foi encontrado em Lagos por um particular. Estava muito debilitado, com paralisia das patas e diarreia. Foi tratado com fluído-terapia e posteriormente alimentado com papa. No final foi submetido a treinos de voo. Foi devolvido à natureza por visitantes da Quinta de Marim.







quinta-feira, 29 de dezembro de 2016

Devoluções à natureza de dia 28 de Dezembro de 2016

Devolução à natureza de uma cegonha-branca (Ciconia ciconia)
Quinta de Marim - Olhão
28 de Dezembro de 2016


Uma cegonha-branca foi encontrada em Silves, em Julho. Quem a encontrou viu que ela não conseguia voar e no exame físico verificou-se que tinha ambas as clavículas fracturadas e algumas hemorragias. O seu tratamento consistiu em imobilizar as asas (uma de cada vez) para que as fracturas ossificassem correctamente. Posteriormente efectuou sessões de fisioterapia para tentar recuperar a total mobilidade das asas. A etapa final da recuperação consistiu em treinos de voo.
Foto: Sónia Cruz
Foi devolvida à natureza pela sua madrinha. 




Devolução à natureza de uma gaivota-d'asa-escura (Larus fuscus)
Quinta de Marim - Olhão

28 de Dezembro de 2016 


Esta gaivota chegou ao RIAS com uma fractura no meta-tarso direito. Devido às características da fractura verificou-se que a solução seria amputar a pata afectada. Assim foi submetida a uma intervenção cirúrgica para que a pata fosse amputada na zona imediatamente acima da fractura. 
Posteriormente foi submetida a treinos de voo. 





quarta-feira, 28 de dezembro de 2016

Devolução à Natureza de um ouriço-cacheiro

Devolução à Natureza de um ouriço-cacheiro (Erinaceus europaeus)
Quinta de Marim - Olhão
27 de Dezembro de 2016

                          


Esta fêmea de ouriço chegou-nos juntamente com uma pequena cria. Quando ingressou ainda amamentava o bébé. Passado algum tempo deixou de prestar cuidados à cria, sendo então libertada.

terça-feira, 27 de dezembro de 2016

Devolução à Natureza de um mocho-galego

Devolução à Natureza de um mocho-galego (Athene noctua)
Quinta de Marim - Olhão
26 de Dezembro de 2016


Um mocho-galego foi encontrado em Tavira após ter colidido com uma estrutura. Não apresentava lesões, tendo apenas um pouco de sangue no bico. Ficou em observação durante alguns dias, sendo posteriormente colocado numa instalação exterior para treinar o voo e a caça.
Foi devolvido à natureza pela sua madrinha que o baptizou de "Natal".




terça-feira, 20 de dezembro de 2016

Devolução à Natureza de uma águia-pesqueira

Devolução à Natureza de uma águia-pesqueira (Pandion haliaetus)
Ria de Alvor - Portimão
18 de Dezembro de 2016

 
Esta águia-pesqueira foi encontrada no dia 30 de Novembro, presa nas redes de protecção dos tanques de uma piscicultura na Ria de Alvor. Os técnicos da piscicultura entregaram-na na Associação A Rocha Portugal, que por sua vez a encaminharam para o RIAS através dos Vigilantes da Natureza do Parque Natural da Ria Formosa.


Quando ingressou no RIAS apresentava ferimentos superficiais e hematomas na asa esquerda. O seu tratamento consistiu na administração de anti-inflamatórios e aplicação de aloé vera nas feridas. No final da recuperação foi submetida a treinos de voo nas instalações exteriores de forma a recuperar a total mobilidade da asa.

Foi devolvida à natureza perto do local onde foi encontrada, na presença de membros da Associação A Rocha e alguns entusiastas da observação e protecção das aves. O jovem Tiago Guerreiro, um dos observadores de aves mais jovens do Algarve, teve o privilégio de a devolver à natureza.





Devoluções à Natureza na Festa de Natal do Vila Vita Parc

Devolução à Natureza de dois mochos-galegos (Athene noctua)
Vila Vita Parc - Porches
18 de Dezembro de 2016



Estes dois mochos foram encontrados em Silves e São Brás de Alportel, respectivamente, sendo que ambos ingressaram devido a trauma.
Um apresentava fractura no cúbito esquerdo e foi necessário imobilizar a asa afectada para que a lesão ossificasse correctamente. Posteriormente foram realizadas sessões de fisioterapia para que recuperasse total mobilidade. 


O outro ingressou com sangue no bico e tinha a mandíbula fractura. Foi administrado anti-inflamatório até que a lesão sarasse por si.


Ambos foram submetidos a treinos de voo e de caça.
Foram devolvidos à natureza na festa de natal para as crianças do Vila Vita Parc. 




Devoluções à Natureza de dia 17 de Dezembro de 2016

Devolução à Natureza de uma gaivota-d'asa-escura (Larus fuscus)
Quinta de Marim - Olhão
17 de Dezembro de 2016


Uma gaivota-d'asa-escura foi encontrada por um particular na praia do Ancão. Tinha sintomas de doença, mas ainda num estado muito inicial pelo que a sua recuperação foi relativamente simples e rápida. 
Foi devolvida à natureza por quem a encontrou.






Devolução à Natureza de um mocho-galego (Athene noctua)
Quinta de Marim - Olhão
17 de Dezembro de 2016



Um mocho-galego foi encontrado em Pechão. Tinha o fémur esquerdo fracturado pelo que foi necessário imobilizar a pata afectada até ossificar correctamente. Posteriormente foi submetido a treinos de voo e de caça. 
Foi quem o encontrou que o devolveu à natureza.






sexta-feira, 16 de dezembro de 2016

Devolução à Natureza de um mocho-galego

Devolução à Natureza de um mocho-galego (Athene noctua)
Quinta de Marim - Olhão
16 de Dezembro de 2016




Um mocho-galego foi encontrado por um particular em Tavira. O animal não tinha lesões, sendo que se encontrava apenas um pouco debilitado. Foi necessário alimentá-lo e submete-lo a treinos de voo e de caça.
Foi devolvido à natureza por quem o encontrou.






Devolução à Natureza de 3 gaivotas-d'asa-escura e 6 gaivotas-de-patas-amarelas

Devolução à Natureza de 3 gaivotas-d'asa-escura (Larus fuscus) e 6 gaivotas-de-patas-amarelas (Larus michahellis)
Quinta de Marim - Olhão
14 de Dezembro de 2016




Nove destas gaivotas ingressaram devido a doença. Os sintomas incluíam paralisia das patas e asas, desidratação, diarreia e problemas oftalmológicos. O seu tratamento consistiu em administração de fluidos e alimentação assistida.


Uma das gaivotas-d'asa-escura ingressou com uma luxação no ombro esquerdo. Neste caso foi necessário imobilizar a asa afectada até a lesão ficar sarada. Posteriormente foram realizadas sessões de fisioterapia.


No final da recuperação todas as gaivotas realizaram treinos de voo.     



Devolução à Natureza de um ganso-patola

Devolução à Natureza de um ganso-patola (Morus bassanus)
Ilha da Armona - Olhão
13 de Dezembro de 2016



Este ganso-patola foi encontrado na Ilha da Armona. Estava debilitado, mas não apresentava lesões. A sua recuperação consistiu em alimentação adequada e treinos de natação para permitir a impermeabilização das penas. 
Foi devolvido à natureza por técnicos do RIAS e vigilantes do Parque Natural da Ria Formosa.



terça-feira, 13 de dezembro de 2016

"Hora do Conto" no Centro de Ciência Viva do Algarve


No passado dia 6 de Dezembro o RIAS deslocou-se ao Centro de Ciência Viva do Algarve para realizar uma actividade com meninos do pré-escolar de "Os Vivaços", Montenegro.
A actividade intitulada "Hora do Conto", consiste na narração do conto "Mauro e Emília - os nossos cágados estão em perigo. Vamos ajudá-los!", de Ana Mafalda Alves.

Os 25 meninos ouviram atentamente a história que remete para a importância da preservação da nossa fauna selvagem e também para a problemática das espécies invasoras.



No final do conto, as crianças montaram dois cágados com materiais reciclados.



sexta-feira, 9 de dezembro de 2016

Devoluções à Natureza de dia 7 de Dezembro de 2016

Devolução à Natureza de 2 corvos-pretos (Corvus corax)
Alcaria Ruiva - Mértola
7 de Dezembro de 2016



Estes dois corvos ingressaram com apenas um dia de diferença e vindos de locais bastante próximos. Verificou-se que apresentavam sinais compatíveis com cativeiro ilegal, nomeadamente feridas nas asas e penas primárias partidas. O seu processo de recuperação consistiu em aguardar que as penas de voo crescessem e socialização com outras aves. 



Estas aves foram devolvidas à natureza por representantes do SEPNA/GNR de Almodôvar e do ICNF.






Devolução à Natureza de 5 grifos (Gyps fulvus)
Alcaria Ruiva -Mértola
7 de Dezembro de 2016



Estes cinco grifos foram encontrados em diversas partes do Algarve e do Baixo Alentejo. Todos sofriam de debilidade e desnutrição, tendo a sua recuperação sido baseada na administração de fluídos e disponibilização de comida até restabelecerem as forças.




Os grifos foram libertados por representantes do RIAS, SEPNA/GNR de Almodôvar, ICNF e da empresa NAV. 






Devolução à Natureza de um milhafre-real (Milvus milvus)
Castro Verde
7 de Dezembro de 2016


Este milhafre-real ingressou no RIAS a 15 de Novembro, tendo sido encaminhado para o nosso centro pela LPN. O animal estava em estado bastante preocupante com espuma na boca, contracções pupilares, apático e hipotérmico. O quadro clínico indicava que tinha sido vítima de envenenamento. Nos primeiros dias foi medicado e alimentado por sonda, pois não tinha forças para se mexer. Quando recuperou e começou a comer sozinho foi transferido para uma instalação exterior.



Este milhafre-real foi o único sobrevivente de entre 14 animais selvagens vítimas deste caso de envenenamento na ZPE de Castro Verde. Se não fosse a rápida actuação do técnico da LPN que o encontrou e o encaminhou imediatamente para o RIAS, o animal não teria sobrevivido. 


Antes da sua devolução à natureza, esta ave foi marcada com marcas alares, umas placas coloridas presas nas asas. Estas placas têm um código alfa-numérico que permite a sua identificação individual à distância, quando a ave está em voo. Esta é uma técnica testada e aprovada pelas entidades competentes e permitirá obter algum feedback do sucesso da recuperação e da re-adaptação deste indivíduo à natureza. 



Foi devolvido à natureza na presença de cerca de 150 crianças do centro escolar nº 2 de Castro Verde que o baptizaram de "Estrelinha". 

Estiveram também presentes neste momento elementos do SEPNA/GNR de Almodôvar, o presidente da direcção da Zona de Caça de Entradas, um representante da Associação de Agricultores do Campo Branco, o vereador do ambiente da Câmara Municipal de Castro Verde, alunos da Universidade Sénior de Castro Verde, representantes da Liga para a Protecção da Natureza, do Parque Natural do Vale do Guadiana e  do Parque Natural da Ria Formosa. 






Devolução à Natureza de uma coruja-das-torres (Tyto alba)
Carregueiro - Aljustrel
7 de Dezembro de 2016


Uma coruja-das-torres foi encontrada por um particular, na zona de Aljustrel. O animal estava bastante débil e desidratado e foi necessário administrar fluídos para hidratá-lo. Quando recuperou forças foi colocada uma câmara exterior onde pode treinar o voo e a caça.

A coruja foi devolvida à Natureza por quem a encontrou e ficou baptizada de "Carregueiro".

O RIAS agradece a todas as entidades e pessoas envolvidas nestas libertações!