O RIAS é o Centro de Recuperação e Investigação de Animais Selvagens da Ria Formosa e está localizado em Olhão. Desde meados de 2009 a sua gestão está a cargo da Associação ALDEIA, em parceria com o Instituto da Conservação da Natureza e das Florestas (ICNF) e a ANA-Aeroportos de Portugal, através do Aeroporto de Faro.

terça-feira, 27 de setembro de 2016

Devoluções à Natureza de dia 22 de Setembro de 2016

Devolução à natureza de 5 frisadas (Anas strepera), 4 patos-reais (Anas platyrhynchos), 1 pato-branco (Tadorna tadorna) e 2 galeirões (Fulica atra)
22 de Setembro de 2016
Quinta de Marim, Olhão

Todos os patos e galeirões deram entrada no RIAS durante o mês de Setembro sendo provenientes de Faro. Apresentavam sintomas compatíveis com botulismo, o que levou a que o seu tratamento consistisse em fluidoterapia de modo a eliminar a intoxicação. Posteriormente foram colocados numa instalação exterior de grandes dimensões provida de um charco, onde os animais puderam exercitar o voo e natação.


As frisadas e patos-reais foram marcados com marcas nasais para ser possível realizar o seu seguimento após a libertação. Estas marcas são apropriadas a estas espécies e não causam nenhum dano às aves. 






Estas aves foram libertadas por voluntários do RIAS e visitantes da Quinta de Marim.










Devolução à natureza de 5 gaivotas-de-patas-amarelas (Larus michahellis) e uma gaivota-d'asa-escura (Larus fuscus)
22 de Setembro de 2016 
Quinta de Marim, Olhão

Estas gaivotas deram entrada no nosso centro durante o mês de agosto e início de setembro, sendo provenientes de Loulé, Portimão, Albufeira e Ferragudo.
Cinco delas apresentavam sintomas de doença gastrointestinal e o seu tratamento consistiu em fluidoterapia e alimentação adequada até melhorarem a condição corporal. A outra apresentava um fractura na asa direita pelo que foi necessário imobilizar esse membro. Assim que o osso solidificou, foi submetida a fisioterapia. Todas elas foram posteriormente sujeitas a treinos de voo.

Foram libertadas por uma voluntária do RIAS.







Sem comentários: