O RIAS é o Centro de Recuperação e Investigação de Animais Selvagens da Ria Formosa e está localizado em Olhão. Desde meados de 2009 a sua gestão está a cargo da Associação ALDEIA, em parceria com o Instituto da Conservação da Natureza e das Florestas (ICNF) e a ANA-Aeroportos de Portugal, através do Aeroporto de Faro.

quarta-feira, 2 de dezembro de 2015

SEPNA de Portimão apreende 84 passarinhos em gaiola

No passado dia 27 de Novembro o SEPNA de Portimão apreendeu 84 passeriformes de 24 espécies diferentes da nossa fauna selvagem. Os animais encontravam-se numa gaiola em situação de cativeiro ilegal. 



Os animais foram encaminhados para o RIAS para se avaliar a sua condição física e proceder à sua devolução à natureza.

Assim, no dia 28 de Novembro foram devolvidos à natureza mais de sete dezenas de passeriformes das seguintes espécies: 
- Chapim-rabilongo (Aegithalos caudatus)



- Calhandrinha-comum (Calandrella brachydactyla)


- Pintarroxo-comum (Carduelis cannabina)
- Pintassilgo (Carduelis carduelis)
- Lugre (Carduelis spinus)


- Verdilhão (Chloris chloris)
- Bico-grossudo (Coccothraustes coccothraustes)


- Chapim-real (Parus major)
- Chapim-azul (Cyanistes caeruleus)


- Trigueirão (Emberiza calandra)


- Escrevedeira-dos-caniços (Emberiza schoeniclus)
- Tentilhão-comum (Fringilla coelebs)
- Tentilhão-montês (Fringilla montifringilla)
- Cotovia-de-poupa (Galerida cristata)
- Cotovia-montesina (Galerida theklae)


- Alvéola-branca (Motacilla alba alba)
- Alvéola-amarela (Motacilla flava)
- Ferreirinha-comum (Prunella modularis)
- Chamariz ou milheirinha (Serinus serinus)
- Trepadeira-azul (Sitta europaea)


- Toutinegra-de-barrete-preto (Sylvia atricapilla)


- Toutinegra-de-cabeça-preta (Sylvia melanocephala)
- Toutinegra-das-figueiras (Sylvia borin)
- Tordo-comum (Turdus philomelos)


Mais uma vez relembramos que a captura de aves, ou qualquer animal da nossa fauna, para manter em cativeiro ou para alimentação é proibida!

Se tiver conhecimento de alguma situação denuncie ao SEPNA (GNR) mais próximo ou à Linha SOS Ambiente e Território (808 200 520).



video

3 comentários:

Konigvs disse...

A proibição é válida para todas as aves nativas ou refere-se só aos passeriformes?
Porque o que mais se vê por aqui, principalmente no campo, são pegas, gaios, melros, até corvos em gaiolas nas casas das pessoas, e certamente terão sido aves apanhadas ainda pequenas dos ninhos, algo que culturalmente sempre era muito habitual. Agora ultimamente, como os jovens, mesmo no campo, são todos muito "urbano-depressivos", e estão sempre enfiados dentro de casa, creio que esse hábito de "ir aos ninhos" estará (e ainda bem) a cair em desuso.

RIAS disse...

Bom dia Konigvs,
É proibido manter ou capturar qualquer espécie autóctone da nossa fauna. Não falando das espécies cinegéticas claro. Mas mesmo assim, não é permitido manter numa jaula qualquer espécie cinegética também. O ideal é fazer uma denúncia caso haja aves em gaiolas, à GNR mais próxima. Mais alguma informação que necessitar não hesite em nos contactar pelo email: rias.aldeia@gmail.com ou pelo telefone: 927659313

Konigvs disse...

Obrigado pela vossa resposta.
A mim também me parecia que sim, que seria proibido, mas por vezes o desconhecimento, ou o à vontade com que as pessoas fazem e dizem as coisas é tal que até se fica baralhado.
Mas infelizmente o que faz falta é haver divulgação, porque de nada adianta fazer as leis a proibir, se depois as coisas só ficam em Diário da República e ninguém sabe, a não ser quando se comenta que determinada pessoa foi multada por manter em casa uma ave ou animal que não podia.
Depois também há outro fenómeno nos meios mais pequenos, como onde vivo, que é não se denunciar para não causar problemas na vizinhança, mas logicamente que saber e nada fazer também é pactuar com o problema.
E sobre as aves o que eu acho é que, que gosta mesmo delas, não as coloca dentro de uma gaiola. Tal como quem gosta de cães não os prende a um cadeado para o resto da vida. E depois chamam-lhes "animais de estimação" mas pouca estima ou respeito lhes têm. Mas isto é cultural, e há hábitos difíceis de serem abandonados, tal como há outros hábitos a surgir, como o de comprar animais de "marca" para ostentar e impressionar os demais. Rapidamente passa a novidade e depois são abandonados e trocados por outra coisa qualquer.
Mais uma vez obrigado e parabéns pelo vosso trabalho.