O RIAS é o Centro de Recuperação e Investigação de Animais Selvagens da Ria Formosa e está localizado em Olhão. Desde meados de 2009 a sua gestão está a cargo da Associação ALDEIA, em parceria com o Instituto da Conservação da Natureza e das Florestas (ICNF) e a ANA-Aeroportos de Portugal, através do Aeroporto de Faro.

terça-feira, 29 de dezembro de 2015

Devolução à Natureza de um rola-turca

Devolução à Natureza de um rola-turca (Streptopelia decaoto)
Quinta de Marim - Olhão
28 de Dezembro de 2015



Uma rola-turca ingressou no RIAS após ter sido encontrada por um particular em Olhão. Tinha uma fractura exposta no metacarpo da asa direita. Assim, foi necessário desinfectar e aplicar alguns pontos para fechar a ferida. A asa foi imobilizada com recurso a tala e administrou-se antibiótico e anti-inflamatório. Quando a fractura cicatrizou realizou-se fisioterapia para que recupera-se a mobilidade total da asa. No final foi submetida a treinos de voo. Foi devolvida à natureza por um técnico do RIAS. 


Devolução à Natureza de três gaivotas-de-patas-amarelas e uma gaivota-d'asa-escura

Devolução à Natureza de três gaivotas-de-patas-amarelas (Larus michahellis) e uma gaivota-d'asa-escura (Larus fuscus)
Quinta de Marim - Olhão 
22 de Dezembro de 2015




Três gaivotas-de-patas-amarelas e uma gaivota-d'asa-escura ingressaram no RIAS após ter sido encontradas em Portimão (3) e Castro Marim. Uma tinha ferimentos provocados por fio de pesca numa das asas. Foi necessário limpar e desinfectar as feridas e administrar antibiótico.
Outra ingressou devido a trauma no ombro esquerdo pelo que o seu tratamento consistiu em imobilizar a asa afectada e posteriormente realizar fisioterapia. 




Umas destas tinha sintomas de doença que lhe provocava diarreia e paralisia. O seu tratamento consistiu em fluido-terapia e alimentação assistida uma vez que não tinha forças para se alimentar sozinha.
A última ingressou sem lesões, encontrando-se apenas debilitada. A sua recuperação foi simples consistindo apenas em disponibilização de água e comida. Esta gaivota estava marcada com uma anilha inglesa.
No final da recuperação foram todas submetidas a treinos de voo.
Foram devolvidas à natureza por visitantes do Parque Natural da Ria Formosa.




terça-feira, 22 de dezembro de 2015

Devolução à Natureza de quatro grifos

Devolução à Natureza de quatro grifos (Gyps fulvus)
Alcaria Ruiva - Mértola
17 de Dezembro de 2015





Quatro grifos ingressaram no RIAS após terem sido encontrados em Ferreira do Alentejo, Mértola, Vila do Bispo e Redondo, respectivamente.
Dois encontravam-se debilitados e magros, tendo sido necessário alimentar até recuperarem forças para continuar a sua dispersão para o norte de África. 
Outro caiu num lagar, tendo ficado com as penas cobertas de azeite. Como não estava coberto com nenhuma substância tóxica apenas disponibilizámos água de forma a que se fosse limpando sozinho. 
O último foi vítima de tiro (ver post aqui), sendo que os chumbos não causaram ferimentos graves. No entanto, ficou desorientado com o disparo e débil. 


Os animais foram devolvidos à natureza por membros da equipa do RIAS, vigilantes da natureza do Parque Natural da Ria Formosa e do Parque Natural do Vale do Guadiana.



Devolução à Natureza de duas alveolas-brancas

Devolução à Natureza de duas alvéolas-brancas (Motacilla alba)
Quinta de Marim - Olhão 
16 de Dezembro de 2015


Estas duas alvéolas-brancas fizeram parte de uma apreensão de 84 passarinhos levada a cabo pelo SEPNA de Portimão (ver artigo aqui). Os restantes animais foram libertados imediatamente, sendo que estas duas alvéolas apresentavam algumas lesões derivadas do cativeiro, nomeadamente, feridas nas patas. Foram devolvidas à natureza por um técnico do RIAS.


Devolução à Natureza de uma gaivota-d'asa-escura

Devolução à Natureza de uma gaivota-d'asa-escura (Larus fuscus)
Quinta de Marim - Olhão
15 de Dezembro de 2015



Uma gaivota-d'asa-escura ingressou no RIAS devido a doença. Estava debilitada e não se conseguia manter em pé nem alimentar-se sozinha. A sua recuperação consistiu em fluido-terapia e alimentação assistida até recuperar forças. No final foi colocada numa câmara exterior para treinar o voo. Foi devolvida à natureza por uma técnica do RIAS. 


Devolução à Natureza de um melro-preto

Devolução à Natureza de um melro-preto (Turdus merula)
Quinta de Marim - Olhão
12 de Dezembro de 2015


Um melro-preto foi encontrado no interior de uma câmara de recuperação do RIAS. Foi recolhido e anilhado, tendo sido imediatamente devolvido à natureza.

quarta-feira, 16 de dezembro de 2015

sexta-feira, 11 de dezembro de 2015

Devoluções à Natureza do dia 10 de Dezembro de 2015

Devolução à Natureza de dois ouriços-cacheiros (Erinaceus europaeus)
Quinta de Marim - Olhão
10 de Dezembro de 2015



Dois ouriços-cacheiros foram encontrados por particulares no concelho de Olhão. Ambos estavam em locais pouco adequados à sua sobrevivência, um adulto estava no centro da cidade de Olhão e um juvenil estava a atravessar uma estrada. Assim, quem os encontrou encaminhou-os para o nosso centro onde verificamos a sua condição física e o seu comportamento. Como não tinham lesões ficaram apenas alguns dias em observação.


Foram devolvidos à natureza por quem encontrou um dos animais e que os baptizou de "Biquinhos" e "Piquinhos".

Este foi a primeira vez que o RIAS libertou ouriços segundo o método de "Soft release". Assim, os animais foram colocados perto de um abrigo onde nos primeiros dias será colocada água e comida à sua disposição até estes seguirem o seu caminho.



Devolução à Natureza de 4 gaivotas-d'asa-escura (Larus fuscus)
Quinta de Marim - Olhão
10 de Dezembro de 2015



Três gaivotas-d'asa-escura foram encontradas em Vilamoura, Portimão e Loulé e encaminhadas para o RIAS pelos vigilantes da natureza do Parque Natural da Ria Formosa. Tinham todas sintomas de uma doença que debilita, causa paralisia nos membros e diarreia. O seu tratamento consistiu em administração de fluídos e posterior auxilio na alimentação, primeiro através de sonda e depois com o auxilio de pinça.
A outra gaivota foi encontrada em Castro Marim e ingressou com uma fractura de radio-cúbito. Foi necessário administrar antibiótico e anti-inflamatório e imobilizar a asa afectada para que a fractura cicatrizasse correctamente.

No final da recuperação todas foram submetidas a treinos de voo. Foram devolvidas à natureza por voluntários e técnicos do RIAS.



Devolução à Natureza de uma gaivota-d'asa-escura

Devolução à Natureza de uma gaivota-d'asa-escura (Larus fuscus)
Quinta de Marim - Olhão
4 de Dezembro de 2015


Uma gaivota-d'asa-escura foi encontrada por um particular em Olhão. Tinha uma luxação no cotovelo e alguns hematomas na mesma asa. O seu tratamento consistiu em administração de anti-inflamatório e imobilização da asa afectada para que a luxação sarasse correctamente. No final da recuperação foi submetida a treinos de voo. Foi devolvida à natureza por quem a encontrou.



Devolução à Natureza de 3 gaivotas-d'asa-escura

Devolução à Natureza de 3 gaivotas-d'asa-escura (Larus fuscus)
Quinta de Marim - Olhão
3 de Dezembro de 2015



Três gaivotas-d'asa-escura ingressaram no nosso centro debilitadas devido a uma doença que também causa paralisia e diarreia. A sua recuperação consistiu em fluido-terapia e posterior alimentação assistida. Quando recuperaram forças foram submetidas a treinos de voo. 
Foram devolvidas à natureza um técnico do RIAS, um voluntário e o senhor que encontrou um dos animais.




quarta-feira, 9 de dezembro de 2015

Devolução à Natureza de 8 pintassilgos

Devolução à Natureza de 8 pintassilgos (Carduelis carduelis)
Quinta de Marim - Olhão
5 de Dezembro de 2015

Imagem 1
Imagem 2

No passado dia 5 de Dezembro ingressaram no RIAS oito pintassilgos que tinham sido apreendidos pelo SEPNA de Tavira. Os animais encontravam-se em cativeiro ilegal e pelo menos um era usado como isco para atrair outros animais da mesma espécie, pois possuía um arnês (Imagem 2). 
Após exame físico verificou-se que os animais estavam em condições de ser devolvidos à natureza pelo que foram prontamente libertados por visitantes do Parque Natural da Ria Formosa.







A SPEA - Sociedade Portuguesa para o Estudo das Aves lançou em parceria com a ALDEIA (particularmente através dos centros de recuperação de fauna selvagem CERVAS e RIAS), A Rocha, a LPN e a Quercus, a campanha “Diga NÃO aos passarinhos na gaiola e no prato” com o objetivo de colocar na ordem do dia o tema da captura e venda ilegal de aves.

Mais informações sobre esta campanha em: 


sexta-feira, 4 de dezembro de 2015

Mais um caso de tiro...

Esta semana o RIAS recebeu uma águia-d'asa-redonda (Buteo buteo) encontrada por um particular. 

No exame físico verificou-se uma inflamação da zona do cotovelo esquerdo e diversas penas com perfurações em forma de cunha (Imagem 1) o que levantou suspeita de tiro. Assim, foi realizado um raio-x, na clínica INEMVET (parceiros do RIAS) onde se verificou a presença de 8 chumbos alojados no corpo do animal (Imagem 2).
Imagem 1 - Lesões nas penas

Imagem 2 - Raio-x

Os disparos provocaram também uma fractura na asa direita e o estado da águia é ainda bastante reservado.

Este ano o RIAS tem recebido mais animais devido a abate e cativeiro ilegal do que nos anos anteriores. Apenas em 2015 já ingressaram 150 animais de cativeiro ilegal, 44 de captura ilegal e 12 devido a ferimentos de tiro.


A captura ou abate de aves, ou qualquer animal da nossa fauna, para manter em cativeiro ou para alimentação é proibida!**

Se tiver conhecimento de alguma situação denuncie ao SEPNA (GNR) mais próximo ou à Linha SOS Ambiente e Território (808 200 520).




A SPEA - Sociedade Portuguesa para o Estudo das Aves lançou em parceria com a ALDEIA (particularmente através dos centros de recuperação de fauna selvagem CERVAS e RIAS), A Rocha, a LPN e a Quercus, a campanha “Diga NÃO aos passarinhos na gaiola e no prato” com o objetivo de colocar na ordem do dia o tema da captura e venda ilegal de aves.

Mais informações sobre esta campanha em: 


** Excepto espécies cinegéticas.

quinta-feira, 3 de dezembro de 2015

Devolução à Natureza de um mocho-galego

Devolução à Natureza de um mocho-galego (Athene noctua)
Barragem do Arade -Silves
1 de Dezembro de 2015



Um mocho-galego foi encontrado na zona de Albufeira por um particular que o reencaminhou até ao RIAS. O animal não tinha lesões estando apenas um pouco desorientado pelo que se suspeita que tenha colidido contra uma estrutura. Ficou em observação alguns dias até demonstrar um comportamento normal e posteriormente foi submetido a treinos de voo e de caça.





quarta-feira, 2 de dezembro de 2015

SEPNA de Portimão apreende 84 passarinhos em gaiola

No passado dia 27 de Novembro o SEPNA de Portimão apreendeu 84 passeriformes de 24 espécies diferentes da nossa fauna selvagem. Os animais encontravam-se numa gaiola em situação de cativeiro ilegal. 



Os animais foram encaminhados para o RIAS para se avaliar a sua condição física e proceder à sua devolução à natureza.

Assim, no dia 28 de Novembro foram devolvidos à natureza mais de sete dezenas de passeriformes das seguintes espécies: 
- Chapim-rabilongo (Aegithalos caudatus)



- Calhandrinha-comum (Calandrella brachydactyla)


- Pintarroxo-comum (Carduelis cannabina)
- Pintassilgo (Carduelis carduelis)
- Lugre (Carduelis spinus)


- Verdilhão (Chloris chloris)
- Bico-grossudo (Coccothraustes coccothraustes)


- Chapim-real (Parus major)
- Chapim-azul (Cyanistes caeruleus)


- Trigueirão (Emberiza calandra)


- Escrevedeira-dos-caniços (Emberiza schoeniclus)
- Tentilhão-comum (Fringilla coelebs)
- Tentilhão-montês (Fringilla montifringilla)
- Cotovia-de-poupa (Galerida cristata)
- Cotovia-montesina (Galerida theklae)


- Alvéola-branca (Motacilla alba alba)
- Alvéola-amarela (Motacilla flava)
- Ferreirinha-comum (Prunella modularis)
- Chamariz ou milheirinha (Serinus serinus)
- Trepadeira-azul (Sitta europaea)


- Toutinegra-de-barrete-preto (Sylvia atricapilla)


- Toutinegra-de-cabeça-preta (Sylvia melanocephala)
- Toutinegra-das-figueiras (Sylvia borin)
- Tordo-comum (Turdus philomelos)


Mais uma vez relembramos que a captura de aves, ou qualquer animal da nossa fauna, para manter em cativeiro ou para alimentação é proibida!

Se tiver conhecimento de alguma situação denuncie ao SEPNA (GNR) mais próximo ou à Linha SOS Ambiente e Território (808 200 520).




Devolução à natureza de uma gaivota-de-patas-amarelas

Devolução à natureza de uma gaivota-de-patas-amarelas (Larus michahellis)
Quinta de Marim - Olhão
28 de Novembro de 2015


Uma gaivota-de-patas-amarelas foi entregue no RIAS por um particular que a encontrou em Lagoa. Este animal tinha um fio de pesca enrolado nas asas e no bico e um anzol alojado no pescoço. Foi realizada uma cirurgia para remover o anzol, mas este estava alojado muito fundo e não impedia a respiração, nem a alimentação pelo que seria mais perigoso tentar remove-lo do que deixá-lo estar. Quando acabou o tratamento com antibiótico e a sutura da cirurgia sarou foi colocada numa instalação exterior para treinar o voo.
Foi devolvida à natureza por quem a encontrou.





Devolução à Natureza de duas gaivotas-d'asa-escura e uma gaivota-de-patas-amarelas

Devolução à Natureza de duas gaivotas-d'asa-escura (Larus fuscus) e uma gaivota-de-patas-amarelas (Larus michahellis)
Quinta de Marim - Olhão
27 de Novembro de 2015



Três gaivotas ingressaram no RIAS após terem sido encontradas em Boliqueime, Quarteira e Ilha do Farol. Todas estavam debilitadas devido a uma doença que também causa paralisia e diarreia. A sua recuperação consistiu em fluido-terapia e posterior alimentação assistida. Quando recuperaram forças foram submetidas a treinos de voo.
Estas gaivotas foram devolvidas à natureza por um grupo de participantes de um workshop de fotografia desenvolvido pela NIOBO -  empresa parceira do RIAS.