O RIAS é o Centro de Recuperação e Investigação de Animais Selvagens da Ria Formosa e está localizado em Olhão. Desde meados de 2009 a sua gestão está a cargo da Associação ALDEIA, em parceria com o Instituto da Conservação da Natureza e das Florestas (ICNF) e a ANA-Aeroportos de Portugal, através do Aeroporto de Faro.

quarta-feira, 26 de fevereiro de 2014

Saída para observação de aves na Fonte Férrea

No passado Domingo dia 23, o RIAS a convide da Câmara Municipal de São Brás de Alportel, guiou uma saída de campo na Fonte Férrea para observação de aves. A saída iniciou-se às 8h30 e contou com a presença de cerca de 10 participantes que puderam observar e ouvir várias espécies.



No final do passeio foi devolvido à natureza uma águia-d'asa-redonda recuperada no RIAS.


Devolução à Natureza de uma águia-d'asa-redonda (Buteo buteo)
Fonte Férrea - São Brás de Alportel
23 de Fevereiro de 2014




A águia-d'asa-redonda foi encontrada perto de Loulé sendo reencaminhada para o RIAS por vigilantes do parque natural da Ria Formosa. O animal tinha uma fractura numa das asas pelo que que foi necessário imobilizá-la. Após a cicatrização da ferida o individuo foi submetido a treinos de voo e caça. Foi devolvido à natureza pelos seus padrinhos que o baptizaram de "Férrea".  


video




terça-feira, 25 de fevereiro de 2014

Devoluções à Natureza de 21 de Fevereiro

Devolução à Natureza de um melro-preto (Turdus merula)
Quinta de Marim - Olhão
21 de Fevereiro de 2014




Uma cria de melro-preto foi encontrada por um particular depois de ter caído do ninho. O animal foi reencaminhado para o RIAS onde se verificou que não apresentava nenhum trauma pelo que a sua recuperação consistiu apenas em alimentação e espera até que as penas de voo crescessem. Na sua devolução à natureza o melro foi baptizado de "Puto". 


Devolução à Natureza de uma gaivota-d'asa-escura (Larus fuscus)
Quinta de Marim - Olhão
21 de Fevereiro de 2014





Uma gaivota-d'asa-escura foi encontrada em Quarteira por um particular que a entregou no RIAS. Apresentava sintomas de doença que a debilitavam. O seu tratamento consistiu em fluido-terapia, alimentação e posteriores treinos de voo. Foi quem a encontrou que a devolveu à natureza baptizando-a de "Clotilde".

Obras de alargamento das instalações do RIAS

Este Verão o RIAS iniciou uma tarefa muito especial de construir uma pequena casa de madeira. Esta necessidade surgiu, pois era importante ter um espaço com todas as condições para manutenção das crias de cágado-de-carapaça-estriada que têm nascido nos últimos 3 anos no âmbito do projecto LIFE + Trachemys. A anterior geração havia ficado no espaço que é agora o CIA, motivo pelo qual o centro de interpretação esteve fechado e só reabriu este Verão. As crias de cágado-de-carapaça-estriada necessitam ficar no RIAS por um período de aproximadamente dois anos e fechar novamente o CIA não é possível devido à sua enorme importância no âmbito da educação ambiental à população e a turistas, assim como na divulgação do trabalho do RIAS.
Após as crias de cágado-de-carapaça-estriada serem transferidas para as instalações no exterior (Maio 2014) este será o lugar para receber as crias de aves que começam a chegar na Primavera.

Passo a passo a casa foi ganhando forma:




Ao fim de alguns meses e de muito trabalho a casa de madeira - a que chamamos de "Casa das crias" -  está concluída.

O resultado final!




Obrigada a todos os que contribuíram para esta obra, especialmente ao David ... pois sem os seus conhecimentos o projecto não teria avançado!! 



Agradecemos ainda ao Bela Romão Croquet Club que nos ajudou a angariar fundos para a aquisição dos materiais necessários!

As crias do RIAS agradecem :)

 

Saída para Observação de Aves, Almancil

O Grupo Flamingo está a organizar, em conjunto com o RIAS, uma saída para Observação de Aves da Ria Formosa, com partida do Moinho de Maré de Corroios em autocarro.




quinta-feira, 20 de fevereiro de 2014

Devolução à Natureza de uma gaivota-de-patas-amarelas

Devolução à Natureza de uma gaivota-de-patas-amarelas (Larus michahellis)
Quinta de Marim - Olhão
17 de Fevereiro de 2014



Uma gaivota-de-patas-amarelas foi encontrada por um particular em Alvor. O animal ingressou no RIAS apresentando sinais de doença e uma úlcera num dos olhos. A sua recuperação consistiu em tratamento especifico para a doença e para o olho, tendo acabado por ficar cega do olho afectado. Verificando-se que se encontrava totalmente recuperada e que a cegueira parcial não interferia na sua alimentação, voo  ou comportamento normal o animal foi devolvido à natureza por quem o encontrou.





Devolução à Natureza de 4 gaivotas-d'asa-escura

Devolução à Natureza de 4 gaivotas-d'asa-escura (Larus fuscus)
Quinta de Marim - Olhão
13 de Fevereiro de 2014



Quatro gaivotas-d'asa-escura  provenientes de Quarteira, Loulé e Vilamoura ingressaram no RIAS em diversos momentos e por diversos motivos. Duas encontravam-se debilitadas e o seu tratamento consistiu em alimentação e treinos de voo. As restantes apresentavam sintomas de doença, tendo dificuldades motoras e incapacidade de se alimentarem autonomamente. Nestes dois casos foi necessário aplicar fluído-terapia e dar assistência na alimentação até se encontrarem capazes para comerem sozinhas. Posteriormente foram também submetidas a treinos de voo.
As quatro gaivotas-d'asa-escura foram devolvidas à Natureza por voluntárias do RIAS e por quem encontrou um dos animais.

video

terça-feira, 18 de fevereiro de 2014

Workshop Prático de Recuperação de Animais Silvestres, 17ª edição


4 a 6 de Abril de 2014
Ecoteca de Olhão/Casa João Lúcio

Todas as informações e inscrições disponíveis AQUI!


Inscreve-te já!!!!

sexta-feira, 14 de fevereiro de 2014

Curso de Iniciação à Identificação e Ecologia de Répteis e Anfíbios, 3ª edição


15 e 16 de Março de 2014
Ecoteca de Olhão/Casa João Lúcio

Todas as informações e inscrições disponíveis AQUI!


quinta-feira, 13 de fevereiro de 2014

Actividades de Educação Ambiental na Ecoteca de Olhão



A educação ambiental sempre foi uma preocupação do RIAS, pois esta desempenha um papel importante na sensibilização dos mais novos para problemáticas relacionadas com a nossa fauna selvagem.
Este ano a intenção é consolidar esta área continuando com as actividades já desenvolvidas e promovendo novas actividades e projectos.
No passado dia 11 de Fevereiro o RIAS foi à Ecoteca de Olhão - Chalé João Lúcio - receber um grupo de alunos do 3º ano EB 1 nº1  com uma pequena palestra e realização de jogos didácticos.

 


quarta-feira, 12 de fevereiro de 2014

Saída para Observação de Aves

                                                                         Autor: Saúl Jorge Lopes

O RIAS realizou em colaboração com o Grupo Flamingo uma saída para observação de aves. A actividade realizou-se pela manhã no passado dia 8 de Fevereiro, na zona do Ludo, onde apesar do mau tempo se conseguiram observar cerca de 40 espécies.





Ouriços-cacheiros (Erinaceus europaeus)



O ouriço-cacheiro é um pequeno mamífero insectívoro caracterizado por ter grande parte do seu corpo coberta por espinhos.
 
Neste momento o RIAS tem 4 destes pequenos animais que ingressaram devido a estarem em cativeiro ilegal.

Curiosidade: Os ouriços desempenham um papel importante no controlo de pragas uma vez que conseguem comer várias vezes o seu próprio peso em insectos e anelídeos.


Alguém interessado em apadrinhar estes pequeninos?

segunda-feira, 10 de fevereiro de 2014

Inauguração Exposição Fotográfica "Viver para Voar ", no CCV Tavira

No passado dia 3 de Fevereiro o nosso colaborador Thijs Valkenburg inaugurou mais uma exposição fotográfica da sua autoria, intitulada "Viver para Voar". 
Esta inauguração foi inserida nas comemorações do Dia Mundial das Zonas Húmidas, desenvolvido pelo Centro de Ciência Viva de Tavira.





A exposição estará disponível até dia 31 de Março e pode ser visitada de 3ª a Sábado das 10h00 às 18h00.


quarta-feira, 5 de fevereiro de 2014

1ª Campanha de Apadrinhamentos para Escolas

O RIAS acaba de lançar a 1ª Campanha de Apadrinhamento para Escolas, em que o objectivo é envolver as crianças e jovens adultos na conservação da nossa fauna. Assim, esta campanha consiste no apadrinhamento de um animal em recuperação no RIAS por parte de uma turma, que depois virá ao nosso centro para a realização de actividades de educação ambiental promovidas pelos nossos técnicos (jogos ou workshops)  e devolverá à natureza o animal apadrinhado.
O apadrinhamento do animal tem um custo simbólico de um mínimo de 15€.



 Quem pode participar?
Apesar desta campanha ter sido pensada para escolas, o público-alvo são as crianças e jovens adultos em geral, por isso também podem participar clubes desportivos, agrupamentos de escuteiros ou outros grupos organizados.

Porquê participar nesta campanha?

Embora existam meios próprios para gestão e manutenção do centro, é necessário solicitar apoios a particulares, empresas e diversas entidades, no sentido de colmatar algumas carências em termos de material, alimentação e outras necessidades do trabalho diário do RIAS. Assim surge a 1ª Campanha de Apadrinhamentos para Escolas. Esta campanha também visa ter uma forte componente de educação ambiental e de envolvimento da população em questões relacionadas com a nossa fauna.


Como funciona?

Por um valor simbólico de apenas 15€ uma turma, desde o 1º ao 12º ano de escolaridade, pode apadrinhar um animal em recuperação no nosso centro contribuindo directamente para a alimentação, medicamentos e toda  a logística necessária para uma recuperação bem sucedida.
Quando o animal estiver recuperado entraremos em contacto para a marcação de um dia para proceder à sua devolução  à Natureza que será antecedida de actividades de educação ambiental, desde jogos para os mais pequenos a pequenos workshops para os mais graúdos, e entrega de um certificado de apadrinhamento. As actividades e libertações serão preferencialmente na Quinta de Marim, no Centro de Interpretação Ambiental do RIAS, e terão a duração de +/- 2 horas (outro local e outras actividades possíveis mediantes disponibilidade dos técnicos do RIAS).


Que espécies se pode apadrinhar?


Entre as espécies que mais frequentemente recebemos no nosso centro estão:
- Coruja-do-mato (Strix aluco)
- Coruja-das-torres (Tyto alba)
- Mocho-galego (Athene noctua)
- Cegonha-branca (Ciconia ciconia)
- Águia-d'asa-redonda (Buteo buteo)
- Peneireiro (Falco tinnunculus)
- Gaivota-de-patas-amarelas (Larus michahellis)
- Gaivota-d'asa-escura (Larus fuscus)
- Melro (Turdus merula)
- Andorinha-dos-beirais (Delichon urbicum)
- Ouriço (Erinaceus europaeus)
- Cágado-mediterrânico (Mauremys leprosa)






Devolução à Natureza de um Mocho-galego

Devolução à Natureza de um Mocho-galego (Athene noctua)
Quinta de Marim - Olhão
31 de Janeiro de 2014


Um mocho-galego foi encontrado no interior de um armazém da Moviflor em Olhão e foi reencaminhado para o RIAS. Verificou-se que o animal se encontrava um pouco fraco pelo que a sua recuperação consistiu apenas na alimentação adequada e posteriores treinos de voo e caça.
Os particulares que o entregaram no RIAS participaram na sua devolução à natureza baptizando-o de "Benfica".


video



Devolução à Natureza de um camaleão

Devolução à Natureza de um camaleão (Chamaeleo chamaeleon)
Quinta de Marim - Olhão
30 de Janeiro de 2014





Um camaleão ingressou no RIAS por motivo de captura acidental, isto é um particular encontrou-o num local muito movimentado e por isso pouco próprio para a espécie. Foi apenas efectuado o diagnostico e na ausência de lesões o individuo foi imediatamente devolvido à Natureza por um voluntário do centro.