O RIAS é o Centro de Recuperação e Investigação de Animais Selvagens da Ria Formosa e está localizado em Olhão. Desde meados de 2009 a sua gestão está a cargo da Associação ALDEIA, em parceria com o Instituto da Conservação da Natureza e das Florestas (ICNF) e a ANA-Aeroportos de Portugal, através do Aeroporto de Faro.

terça-feira, 2 de setembro de 2014

Devoluções à Natureza de dia 28 de Agosto de 2014

Devolução à Natureza de um camaleão (Chamaeleo chamaeleon)
Quinta de Marim - Olhão
28 de Agosto de 2014



Este camaleão juvenil foi encaminhado para o RIAS após ter sido encontrado na Praia de Faro, numa zona pouco segura para este animal. Como não apresentava lesões nem comportamentos estranhos aos da espécie foi imediatamente devolvido à natureza por uma visitante do CIA-RIAS que o baptizou de "Zebedeu".


Devolução à Natureza de cinco gaivotas-de-patas-amarelas (Larus michahellis)
Quinta de Marim - Olhão
28 de Agosto de 2014







Duas destas gaivotas-de-patas-amarelas ingressaram no RIAS com sintomas de debilidade. Foi necessário proceder à administração de fluídos e auxiliar na sua alimentação até que o fizessem por si.
As restantes gaivotas foram encaminhadas para o centro após caírem do ninho. Como eram ainda muito jovens, e não se encontravam plenamente desenvolvidas, a sua recuperação consistiu em alimentá-las até que crescessem todas as penas necessárias ao voo.
Uma vez recuperadas todas estas gaivotas foram submetidas a treinos de voo, tendo sido devolvidas à natureza por técnicos e voluntários do RIAS. Uma delas foi baptizada "Freedom" por quem a encontrou.


Devolução à Natureza de quatro mochos-galegos (Athene noctua)
Quelfes - Olhão
28 de Agosto de 2014





Estes mochos-galegos foram encaminhados para o RIAS por particulares e pelos Vigilantes do Parque Natural da Ria Formosa. Todos eles, à excepção de um, foram encontrados após terem caído do ninho. A sua recuperação consistiu em alimentá-los até que crescessem todas as penas necessárias ao voo.
O último mocho ingressou com suspeita de traumatismo craniano. Foi necessário administrar vitamina B, anti-inflamatório e diurético e foi mantido em repouso.

Todos os mochos foram posteriormente submetido a treinos de voo e caça, tendo sido libertados por técnicos e voluntários do RIAS.


Sem comentários: