O RIAS é o Centro de Recuperação e Investigação de Animais Selvagens da Ria Formosa e está localizado em Olhão. Desde meados de 2009 a sua gestão está a cargo da Associação ALDEIA, em parceria com o Instituto da Conservação da Natureza e das Florestas (ICNF) e a ANA-Aeroportos de Portugal, através do Aeroporto de Faro.

terça-feira, 29 de julho de 2014

Libertação de 16 cágados-de-carapaça-estriada / Projecto Life+ Trachemys

Libertação de 16 cágados-de-carapaça-estriada (Emys orbicularis)
Projecto Life+ Trachemys
19 de Julho de 2014



A reprodução em cativeiro do Cágado-de-carapaça-estriada (Emys orbicularis), uma espécie considerada Em perigo de extinção em Portugal, foi um dos objectivos do projecto Life+ Trachemys, que se iniciou em 2011, em resultado de uma parceria entre o CIBIO, o Parque Biológico de Gaia e a Associação ALDEIA/RIAS, em Portugal, e a Generalidade Valenciana  e a empresa Vaersa, em Espanha.

Estes nascimentos em cativeiro tiveram como objectivos aumentar a reduzida taxa de sobrevivência dos animais nos primeiros anos de vida e reforçar as populações selvagens desta espécie.

 

Os resultados obtidos com mais esta libertação de dezasseis indivíduos representam um acréscimo de cerca de 40% da população total conhecida nas lagoas abrangidas pelo Projecto.

Os animais foram libertados no passado dia 19 Julho na Lagoa de S. Lourenço. Participaram nesta iniciativa toda a equipa do RIAS, colaboradores do Projecto Life+ Trachemys e representantes da Infra-Quinta e Parque Natural da Ria Formosa.









Devolução à Natureza de uma lebre

Devolução à Natureza de uma lebre (Lepus granatensis)
Quinta de Marim - Olhão
19 de Julho de 2014




Esta lebre ingressou no RIAS após ter sido encontrada na estrada por um particular. Como era ainda muito jovem a sua recuperação consistiu em amamentá-la nas primeiras semanas, passando gradualmente a ração e feno até que esta se alimentasse sozinha. Quando tal aconteceu esteve um tempo isolada dos tratadores, tendo sido recriadas as condições naturais, de forma a haver uma desabituação aos humanos. Foi devolvida à natureza pelo seu padrinho e por quem a encontrou, que lhe deu o nome de "Bunny".



Devoluções à Natureza de dia 17 de Julho de 2014

Devolução à Natureza de quatro cegonhas-brancas (Ciconia ciconia)
Quinta de Marim - Olhão
17 de Julho de 2014





As cegonhas-brancas, à excepção de uma, ingressaram no RIAS após terem caído do ninho. Tendo em conta que se alimentavam sozinhas, a sua recuperação consistiu em disponibilizar alimento até ao crescimento de todas as penas necessárias ao voo.
A última cegonha colidiu com uma estrutura apresentando uma luxação no ombro tendo-se procedido à imobilização da asa afectada. Posteriormente foi submetida a treinos de voo.


Dada a parceria com a NIOBO, todas as cegonhas foram devolvidas à natureza por técnicos da empresa "madrinha" desta espécie.



Devolução à Natureza de uma andorinha-dos-beirais (Delichon urbicum)
Quinta de Marim - Olhão
17 de Julho de 2014




Esta andorinha-dos-beirais ingressou no centro após ter caído do ninho. Como era muito jovem, a sua recuperação consistiu em alimentá-la até que crescessem todas as penas necessárias ao voo.

Foi libertada por um técnico do RIAS.

Devolução à Natureza de uma gaivota-de-patas-amarelas (Larus michahellis)
Quinta de Marim - Olhão
17 de Julho de 2014

Uma gaivota-de-patas-amarelas foi encontrada na Praia de Faro com sintomas de debilidade. A sua recuperação consistiu na administração de fluídos e alimentação assistida, até que ganhasse forças para se alimentar sozinha. Posteriormente foi submetida a treinos de voo tendo sido libertada pela pessoa que reencaminhou para o RIAS.



segunda-feira, 28 de julho de 2014

Devolução à Natureza de um camaleão-comum

Devolução à Natureza de um camaleão-comum (Chamaeleo chamaeleon)
Quinta de Marim - Olhão
16 de Julho de 2014





Um camaleão-comum foi encontrado por um particular na estrada em Olhão. Como não apresentava ferimentos, e encontrava-se em boa forma física foi devolvido à natureza de imediato num local seguro e apropriado à sua espécie.



Devolução à Natureza de um andorinhão-preto e de um andorinhão-pálido

Devolução à Natureza de um andorinhão-preto (Apus apus) e de um andorinhão-pálido (Apus pallidus)
Quinta de Marim - Olhão
15 de Julho de 2014


O andorinhão-preto foi encontrado na zona de Monchique por um particular. O animal estava desnutrido e não tinha forças para voar. A sua recuperação consistiu em alimentação até recuperar uma boa condição corporal. Foi devolvido à natureza por quem o encontrou. 



O andorinhão-pálido era ainda juvenil e caiu do ninho quando tentou o seu primeiro voo. Foi encontrado por um particular no aeroporto de Faro. A sua recuperação consistiu essencialmente em alimentação até que lhe crescessem todas as penas necessárias ao voo. A família que o encontrou libertou-o de volta à natureza.



Visita de uma turma do Colégio Bernardete Romeira ao RIAS



Uma turma do colégio Bernardete Romeira de Olhão visitou o Centro de Interpretação Ambiental do RIAS para aprender mais sobre o trabalho dos centro de recuperação de fauna selvagem e sobre algumas espécies de aves, mamíferos e répteis. Depois da pequena apresentação as crianças participaram na devolução à natureza de uma gaivota-de-patas-amarelas recuperada no RIAS (ver abaixo).


Devolução à Natureza de uma gaivota-de-patas-amarelas (Larus michahellis)
Quinta de Marim - Olhão
14 de Julho de 2014




Esta gaivota-de-patas-amarelas foi encontrada na Guia, por um particular, com sintomas de uma doença que afecta a sua locomoção. Esta doença causa desidratação e fraqueza extremas, pelo que a gaivota não se conseguia alimentar nem colocar de pé. O seu tratamento consistiu inicialmente na administração de fluídos para a sua hidratação, e alimentação assistida com uma pinça até que esta fosse capaz de se alimentar sozinha. Posteriormente foi submetida a treinos de voo. Os pequenos visitantes do CIA deram-lhe o nome de "Tsunami".


Parceria com a NIOBO


Como meio de angariação de fundos para a manutenção e gestão do centro e também como forma de divulgação e aproximação da população em geral ao trabalho desenvolvido pelos centro de recuperação de fauna selvagem, o RIAS promove a 1ª campanha de apadrinhamentos de animais para empresas.




A empresa NIOBO é o nosso mais recente parceiro, apoiando o RIAS-ALDEIA através do apadrinhamento da espécie cegonha-branca (Ciconia ciconia), contribuindo para a recuperação de todos os indivíduos desta espécie. O montante deste apadrinhamento será aplicado essencialmente na aquisição de comida, material veterinário, medicamentos e materiais de construção para a manutenção do centro.  



Um imenso obrigado à NIOBO por se associar a esta causa!



segunda-feira, 21 de julho de 2014

Devolução à Natureza de um andorinhão-pálido e de um andorinhão-preto

Devolução à Natureza de um andorinhão-pálido (Apus pallidus) e de um andorinhão-preto (Apus apus)
Quinta de Marim - Olhão
12 Julho 2014



Os dois andorinhões (Esq - A. pallidus; Dir - A. apus) foram entregues ao RIAS pelos vigilantes do Parque Natural da Ria Formosa, após terem caído do ninho. Como ainda eram juvenis, a sua recuperação consistiu em alimentá-los e esperar o crescimento de todas as penas necessárias ao voo. Foram então submetidos a treinos de voo e  devolvidos à natureza por dois técnicos do RIAS.

Devolução à natureza de uma cobra-rateira

Devolução à Natureza de uma cobra-rateira (Malpolon monspessulanus)
Ludo - Faro
11 de Julho de 2014






Esta fêmea de cobra-rateira foi encontrada na Praia de Faro e entregue ao RIAS por um particular. Como não apresentava qualquer ferimento e estava bastante activa foi imediatamente devolvida à natureza por um caminhante do parque, que lhe deu o nome de "Jananaba".

Devoluções à Natureza de dia 4 de Julho de 2014

Devolução à Natureza de uma gaivota-de-patas-amarelas (Larus michahellis)
Quinta de Marim - Olhão
4 de Julho de 2014


Esta gaivota-de-patas-amarelas ingressou no RIAS com sintomas de uma doença que causa debilidade e desidratação extremas. Como não se conseguia levantar nem alimentar sozinha, inicialmente foi necessário alimentá-la com a ajuda de uma pinça e administrar fluídos para hidratá-la, até que o conseguisse fazer por si. Foi posteriormente submetida a treinos de voo, tendo sido devolvida à natureza por um técnico do RIAS.





Devolução à Natureza de 3 águias-d'asa-redonda (Buteo buteo)
Alportel - São Brás de Alportel
4 de Julho de 2014



As águias-de-asa-redonda foram recolhidas pelos vigilantes do Parque Natural do Vale do Guadiana, após terem caído do ninho, e foram entregues ao RIAS pelos vigilantes do Parque Natural da Ria Formosa. Como ainda eram juvenis, foi necessário alimentá-las até que crescessem todas as penas necessárias ao voo, tendo sido posteriormente submetidas a treinos de voo e caça. Foram libertadas por técnicos e voluntários do RIAS.




Devolução à Natureza de duas corujas-das-torres (Tyto alba)
Alportel - São Brás de Alportel
4 de Julho de 2014


           

As duas corujas-das-torres foram capturadas pelos vigilantes do Parque Natural do Vale do Guadiana, após terem caído do ninho, e entregues ao RIAS pelos vigilantes do Parque Natural da Ria Formosa. Como ainda eram crias, foi necessário alimentá-las com a ajuda de uma pinça até que crescessem todas as penas necessárias ao voo. Foram então submetidas a treinos de voo e caça, tendo uma delas sido devolvida à natureza pela sua madrinha, e a outra por um técnico do RIAS.




Devolução à Natureza de duas corujas-do-mato (Strix aluco)
Alportel - São Brás de Alportel
4 de Julho de 2014



Estas corujas-do-mato foram capturadas pelos vigilantes do Parque Natural do Vale do Guadiana, após terem caído do ninho, e entregues ao RIAS pelos vigilantes do Parque Natural da Ria Formosa. Como ainda eram muito jovens e não comiam sozinhas foi necessário proceder à sua alimentação com a ajuda de uma pinça, até que crescessem todas as penas necessárias ao voo. Foram então submetidas a treinos de voo e caça, tendo sido libertadas por técnicas do RIAS.




terça-feira, 15 de julho de 2014

Devoluções à Natureza de dia 3 de Julho de 2014

Devolução à Natureza de um andorinhão-preto (Apus apus)
Quinta de Marim - Olhão
3 de Julho de 2014



Este andorinhão-preto foi entregue ao RIAS pelos Vigilantes do Parque Natural do Vale do Guadiana, e tinha uma luxação num dos ombros. A sua recuperação consistiu na mobilização da asa afectada e alimentação do andorinhão até que o ombro sarasse. Foi posteriormente submetido a treinos de voo, e foi devolvido à natureza por uma técnica do RIAS.



Devolução à Natureza de uma gaivota-de-patas-amarelas (Larus michahellis)
Quinta de Marim - Olhão
3 de Julho de 2014






Esta gaivota-de-patas-amarelas ingressou no RIAS com sintomas de uma doença de origem desconhecida. Esta doença provoca debilidade o que por sua vez causa desidratação extrema. Assim sendo, sua estadia no RIAS consistiu na administração de fluídos e alimentação com a ajuda de uma pinça, até que a gaivota se conseguisse levantar e alimentar sozinha. Foi posteriormente submetida a treinos de voo tendo sido libertada por uma voluntária da Casa das Raparigas de Faro.



Devolução à Natureza de uma cegonha-branca

Devolução à Natureza de uma cegonha-branca (Ciconia ciconia)
Quinta de Marim - Olhão
2 de Julho de 2014



Esta cegonha-branca caiu do ninho, provavelmente após ter experimentado o seu primeiro voo. A sua estadia no RIAS consistiu em alimentá-la e submetê-la a treinos de voo até que se alimentasse e voasse sozinha. Foi devolvida à natureza por um representante da NIOBO, empresa que apadrinhou todos os indivíduos desta espécie.



A NIOBO apoia o RIAS através do apadrinhamento da espécie Cegonha-branca (Ciconia ciconia):


Reforço de populações de Cágado-de-carapaça-estriada: pelo segundo ano consecutivo, a libertação de cágados nascidos em cativeiro ajuda a salvar esta espécie ameaçada de extinção

O RIAS/ALDEIA e toda a equipa do projecto LIFE + Trachemys, têm o prazer de anunciar que no próximo Sábado, dia 19 de Julho, iremos proceder à libertação de 19 cágados-de-carapaça-estriada (Emys orbicularis).

Fotografia de Thijs Valkenburg

A libertação das crias nascidas no segundo ano do projeto decorrerá no próximo dia 19 de Julho às 09:30h na Lagoa de São Lourenço, sendo o ponto de encontro a receção do San Lorenzo Golf Club.


A reprodução em cativeiro do Cágado-de-carapaça-estriada (Emys orbicularis), uma espécie considerada Em Perigo de extinção em Portugal, é um dos objetivos do Projeto LIFE+ Trachemys, que se iniciou em 2011, em resultado de uma parceria entre o CIBIO, o Parque Biológico de Gaia e a Associação ALDEIA/RIAS, em Portugal, e a Generalidade Valenciana e a empresa Vaersa, em Espanha. 


A libertação dos primeiros 40 indivíduos ocorreu, pela primeira vez em Portugal, a 12 de Junho de 2013 nas lagoas de origem dos seus progenitores: Lagoa de São Lourenço, Quinta do Lago Sul, Dunas Douradas e Garrão, todas situadas em Almancil, Loulé. Apesar do projeto ter oficialmente terminado, o facto de os juvenis terem de permanecer em cativeiro por 2 anos obrigou à manutenção dos indivíduos nascidos em 2012 e 2013 por um período superior ao do projeto, de forma a serem libertados este ano e em 2015.


Estes nascimentos em cativeiro têm como objetivos aumentar a reduzida taxa de sobrevivência dos animais nos primeiros anos de vida e reforçar as populações selvagens desta espécie. Os resultados obtidos representam o equivalente a um acréscimo de cerca de 40% da população total conhecida nas lagoas abrangidas pelo Projeto.





terça-feira, 8 de julho de 2014

Devolução à Natureza de dois pardais-comuns

Devolução à Natureza de dois pardais-comuns (Passer domesticus)
Quinta de Marim - Olhão
1 de Julho de 2014


Dois pardais-comuns ingressaram no RIAS depois de terem sido encontrados por um particular. Eram os dois ainda juvenis e tinham caído do ninho, não apresentando lesões. A sua recuperação consistiu em alimentá-los e esperar o crescimento de todas as penas necessárias ao voo. Foram devolvidos à natureza por um voluntário e uma técnica do RIAS.



segunda-feira, 7 de julho de 2014

Devolução à Natureza de três gaivotas-de-patas-amarelas e uma gaivota-d'asa-escura

Devolução à Natureza de três gaivotas-de-patas-amarelas (Larus michahellis) e uma gaivota-d'asa-escura (Larus fuscus)
Quinta de Marim - Olhão
1 de Julho de 2014



Estas gaivotas, excepto uma, deram entrada no RIAS com sintomas de uma doença, de origem desconhecida, que as deixa severamente desidratadas, sem força para se levantarem nem para se alimentarem. Desta forma, a sua alimentação inicialmente foi feita por sonda, até que conseguissem engolir, e posteriormente com pinça, até se alimentarem sozinhas. Foram também administrados fluídos para ajudar na sua hidratação.
A última gaivota deu entrada no RIAS com fractura numa das asas, pelo que a sua estadia no centro consistiu na imobilização da asa até que a fractura sarasse e posterior fisioterapia na asa. 
Todas as gaivotas foram submetidas a treinos de voo, e foram libertadas por voluntárias e técnicas do RIAS.





Devolução à Natureza de uma andorinha-dos-beirais

Devolução à Natureza de uma andorinha-dos-beirais (Delichon urbicum)
Quinta de Marim - Olhão
1 de Julho de 2014




Uma andorinha-dos-beirais deu entrada no RIAS vítima de predação por parte de um animal doméstico, não apresentando no entanto qualquer ferimento. Como ainda era  jovem foi alimentada no centro até que crescessem todas as penas necessárias ao voo e foi também submetida a treinos de voo. Foi devolvida à natureza por um voluntário do RIAS que lhe deu o nome de "Fred".



Devolução à Natureza de uma andorinha-dos-beirais

Devolução à Natureza de uma andorinha-dos-beirais (Delichon urbicum)
Quinta de Marim - Olhão
29 de Junho de 2014


Esta andorinha-dos-beirais deu entrada no RIAS após ter caído do ninho em Quelfes. Como ainda não voava, a sua estadia no centro consistiu na sua alimentação até que crescessem todas as penas necessárias ao voo. Foi posteriormente submetida a treinos de voo. Foi libertada por uma técnica do RIAS.

sexta-feira, 4 de julho de 2014

Aniversário ALDEIA

Parabéns Associação ALDEIA!
04 Julho 2014




Hoje a associação ALDEIA comemora 11 anos.
A equipa do RIAS deseja os PARABÉNS a todos os sócios, colaboradores, amigos, voluntários e projectos!!


quarta-feira, 2 de julho de 2014

Devoluções à Natureza de dia 27 de Junho de 2014

Devolução à Natureza de um andorinhão-preto (Apus apus)
Quinta de Marim - Olhão
27 de Junho de 2014


Este andorinhão-preto ingressou no RIAS após ter caído do ninho. A sua recuperação consistiu em alimentá-lo até que crescessem todas as penas necessárias ao voo. Foi devolvido à natureza por um voluntário do RIAS.




Devolução à Natureza de uma gaivota-de-patas-amarelas(Larus michahellis)
Quinta de Marim - Olhão
27 de Junho de 2014




Esta gaivota-de-patas-amarelas ingressou no RIAS muito desidratada pelo que não era capaz de comer sozinha nem de se aguentar de pé. Assim, a sua recuperação consistiu na administração de fluídos e alimentação com pinça até que esta conseguisse comer sozinha. Foi posteriormente submetida  a treinos de voo. Foi devolvida à natureza por uma voluntária do RIAS durante uma visita de uma turma ao CIA.



Devolução à Natureza de um andorinhão-preto e de uma andorinha-dos-beirais

Devolução à Natureza de um andorinhão-preto (Apus apus) e de uma andorinha-dos-beirais (Delichon urbicum)
Quinta de Marim - Olhão
25 de Junho de 2014


A andorinha-dos-beirais ingressou no RIAS depois de  ter caído do ninho ainda muito jovem. A sua estadia no centro consistiu em alimentá-la até que crescessem todas as penas necessárias ao voo, momento em que foi submetida a treinos de voo. 
Quando chegou ao RIAS, o andorinhão-preto encontrava-se muito débil pelo que a sua recuperação consistiu em alimentá-lo até que recuperasse as forças necessárias para conseguir voar.
Os animais foram devolvidos à natureza por dois voluntários do RIAS.



O que fazer se encontrar um animal selvagem ferido?

O Verão é uma época de muito trabalho e por isso é necessário unir esforços na tentativa de ter uma resposta mais eficiente e rápida na recolha e reencaminhamento dos animais até ao centro de recuperação.
O esquema abaixo pretende resumir qual o procedimento a adoptar se encontrar um animal selvagem ferido.




É importante ressalvar que o RIAS funciona como hospital de fauna selvagem e não faz a recolhas dos animais, apenas os recebemos e procedemos à sua recuperação. A recolha de animais selvagens está a cargo dos vigilantes da natureza das áreas protegidas, que no Algarve são os vigilantes da natureza do Parque Natural da Ria Formosa.


Se puder ajudemos a divulgar esta informação!

terça-feira, 1 de julho de 2014

Devoluções à Natureza de dia 21 de Junho de 2014

As devoluções à natureza deste dia inseriram-se no evento "Todos pelo RIAS".

Devolução à Natureza de um peneireiro-vulgar (Falco tinnunculus)
Quinta de Marim - Olhão
21 de Junho de 2014



Este peneireiro-vulgar foi vítima de cativeiro ilegal tendo vindo da zona de Beja. A recuperação de animais provenientes de cativeiro ilegal é muito morosa, uma vez que, no caso das aves, é comum cortaram as penas necessárias ao voo. Neste caso as penas tardaram um ano a crescer novamente, tendo sido necessário alimentar o peneireiro e, uma vez pronto para voar, foi submetido a treinos de voo e caça. Foi devolvido à natureza por uma das participantes do evento "Todos pelo RIAS".





Devolução à Natureza de uma gaivota-de-patas-amarelas (Larus michahellis)
Quinta de Marim - Olhão
21 de Junho de 2014


Uma gaivota-de-patas-amarelas ingressou no RIAS com sintomas de uma doença que causa debilidade e desidratação. A sua estadia no centro consistiu na administração de fluídos orais e alimentação com pinça, até que esta se alimentasse sozinha e recuperasse as forças. Foi então submetida a treinos de voo tendo sido devolvida à natureza por mais um dos participantes do evento "Todos pelo RIAS" que a baptizou de "Corajosa".





Devolução à Natureza de um mocho-galego (Athene noctua)
Quinta de Marim - Olhão
21 de Junho de 2014



Este mocho-galego ingressou no RIAS muito débil por razões desconhecidas. A sua estadia no centro baseou-se inicialmente na administração de fluídos e posteriormente, quando o mocho já se conseguia alimentar sozinho, em treinos de voo e caça.