O RIAS é o Centro de Recuperação e Investigação de Animais Selvagens da Ria Formosa e está localizado em Olhão. Desde meados de 2009 a sua gestão está a cargo da Associação ALDEIA, em parceria com o Instituto da Conservação da Natureza e das Florestas (ICNF) e a ANA-Aeroportos de Portugal, através do Aeroporto de Faro.

sábado, 29 de janeiro de 2011

Libertação: 29 de Janeiro de 2011

Libertação de um corvo-marinho-de-faces-brancas (Phalacrocorax carbo)
Quinta de Marim, Olhão



Esta ave foi recolhida hoje de um dos tanques do IPIMAR, na Quinta de Marim, por se encontrar presa nas redes de pesca que cobrem as zonas de cultura.

Por não apresentar fracturas nem lesões, foi alimentada e testada a impermeabilização no lago do RIAS.



video

Uma vez que estava em perfeitas condições, foi devolvida à natureza na Quinta de Marim, junto ao Moinho de Maré.


video

sexta-feira, 28 de janeiro de 2011

Apresentação do RIAS no INUAF - Loulé

Na passada quinta-feira, dia 27 de Janeiro de 2011, o RIAS apresentou o seu trabalho aos alunos do curso de Gestão de Bio-Recursos do INUAF - Instituto Superior D. Afonso III, em Loulé.



Esta apresentação, foi a primeira actividade realizada com este instituto, no âmbito de um estágio curricular que está a decorrer actualmente no RIAS.

quarta-feira, 26 de janeiro de 2011

Libertação: 26 de Janeiro de 2011

Libertação de 1 Mergulhão-pequeno (Tachybaptus ruficollis)
Quinta de Marim, Olhão

Esta quarta-feira o RIAS devolveu à Natureza um Mergulhão-pequeno (Tachybaptus ruficollis) que se encontrava em recuperação no centro.

Esta ave foi encontrada na Quinta de Marim por dois particulares que a recolheram e entregaram na portaria do parque natural.

Durante o exame clínico não foram observadas quaisquer lesões pelo que a debilidade poderá ter sido a causa de ingresso mais provável, especialmente numa altura em que as condições climatéricas não eram favoráveis.

O processo de recuperação consistiu em descanço e alimentação adequada a esta espécie, até à total recuperação das forças e posteriormente foi realizado um teste de impermeabilização no sentido de apurar se este animal estaria apto ao meio aquático.


Foi devolvido à Natureza por técnicos do RIAS e alguns voluntários que o baptizaram de Oompa-Loompa.


video

Libertação: 26 de Janeiro de 2010

Libertação de 10 grifos (Gyps fulvus)
Serra de Alcaria Ruiva (Mértola)


Estas aves foram recolhidas por elementos das equipas SEPNA da GNR e por Vigilantes da Natureza das áreas protegidas, por se apresentarem debilitadas e desnutridas. Foram encontradas por particulares em Tavira, Loulé, Vila Real de Santo António, Castro Marim, Faro, Aljezur e Moura e encaminhadas pelas referidas entidades para o RIAS. Neste centro, sofreram um processo de recuperação que consistiu em alimentação e hidratação, contacto com aves da mesma espécie e treinos de voo (no túnel de voo deste centro).

Fotografia: Diogo Raposo


Estes animais foram devolvidos à natureza devidamente identificados com marcadores alares, próprios para esta espécie. Caso estes animais sejam observados no campo após a devolução, estas marcas permitem facilmente um reconhecimento individual. As marcações foram feitas graças à colaboração da empresa STRIX - Ambiente e Inovação, a quem desde já agradecemos o interesse e disponibilidade.

Caso aviste algum animal marcado, por favor, envie-nos essa informação para rias.aldeia@gmail.com


Fotografia: Diogo Raposo



Esta acção foi desenvolvida também em colaboração com o Parque Natural do Vale do Guadiana (ICNB), e contou com o apoio logístico da Câmara Municipal de Tavira que providenciou o transporte destes animais, a quem desde já agradecemos mais uma vez.


Fotografia: Diogo Raposo


video


video


video

terça-feira, 25 de janeiro de 2011

Libertação: 25 de Janeiro de 2011

Libertação de um Guincho-comum (Larus ridibundus)
Quinta de Marim – Olhão

Esta ave juvenil foi encontrada no dia 14 de Janeiro na praia da Rocha em Portimão. Foi recolhida por um particular e entregue no RIAS pela equipa SEPNA de Portimão. Encontrava-se bastante debilitada e desnutrida quando chegou ao centro, pelo que o processo de recuperação consistiu em hidratação, alimentação adequada e treinos de voo.


Este animal foi devolvido à natureza por técnicos e colaboradores do RIAS que a baptizaram de “Morcela”.

video

sábado, 22 de janeiro de 2011

Projecto: Monitorização de Avifauna da ETAR de Faro Nascente

Desde 1 de Janeiro de 2011, o RIAS encontra-se a desenvolver um projecto de monitorização da Avifauna da ETAR de Faro Nascente.






Este protocolo de colaboração com a empresa Águas do Algarve tem como objectivo principal minimizar o risco de ocorrência de surtos de doenças infecciosas nas espécies que habitam nesse local.

Serão realizadas 38 visitas à ETAR ao longo do ano, por um técnico do RIAS.

O RIAS terá a seu cargo não só a monitorização da avifauna presente na ETAR como também a comunicação com as diferentes entidades caso se verifique alguma anomalia.

quarta-feira, 19 de janeiro de 2011

Saída de Campo: Observação de Aves por Terras Algarvias



PARTICIPAÇÃO GRATUITA (Para sócios da ALDEIA)
(Saiba como se tornar sócio da ALDEIA aqui)

Ponto de Encontro: Escola EB 2,3/S Dr. João Lúcio - Fuseta (8:00)

Percurso: Serão realizados vários percursos de carro e a pé, com paragem em pontos de observação e escuta de aves.

Material recomendado:
- Binóculos
- Telescópio
- Guia de Aves
- Roupa e calçado confortável
- Protector solar
- Chapéu
- Água

A visita será organizada e guiada por técnicos e colaboradores da ALDEIA-RIAS.

Inscrição: Por motivos logísticos agradecemos que confirme a sua presença para o seguinte email: rias.aldeia@gmail.com

Contactos:
Correio electrónico: rias.aldeia@gmail.com
Telefone: 927659313

sexta-feira, 14 de janeiro de 2011

Libertação: 14 de Janeiro de 2011

Libertação de um melro-preto (Turdus merula)
14 de Janeiro de 2011
Faro - Bom João

O RIAS realizou esta manhã uma devolução à natureza de um melro-preto recuperado no centro. Este animal tinha embatido contra uma janela de um infantário em Faro. Foi recolhido por uma professora desse infantário e entregue no RIAS por um vigilante da natureza do Parque Natural da Ria Formosa.


A acção de devolução decorreu no Infantário "Os Vivaços" onde o animal tinha sido recolhido.


video



Estiveram presentes nesta acção cerca de 40 crianças deste infantário.

segunda-feira, 10 de janeiro de 2011

Gaivota libertada pelo RIAS regressa ao local de origem

No dia 14 de Outubro de 2010, o serviço SEPNA/GNR de Portimão efectuou a entrega desta Gaivota-de-patas-amarelas (Larus michahellis) no RIAS.



Este animal apresentava uma fractura numa das asas, pelo que o seu processo de recuperação consistiu na imobilização da lesão e condicionamento do exercício. A ave foi colocada no internamento do centro durante algumas semanas, onde lhe foi proporcionada alimentação adequada e descanço.
Após cerca de 3 semanas, foi transferida para uma câmara de recuperação interior, de modo a que, aos poucos, fosse exercitando os músculos. Algumas semanas mais tarde foi colocada numa câmara de muda exterior, juntamente com outros indivíduos da mesma espécie, para que realizasse treinos de voo. Depois de 3 meses de recuperação, no dia 10 de Dezembro de 2010, a equipa do RIAS procedeu à sua libertação na Quinta de Marim em Olhão.
No dia 5 de Janeiro de 2011, através do número de anilha que fora colocada pelos técnicos do centro de recuperação, um particular observou este mesmo animal novamente em Portimão. Uma viagem que, em linha recta, corresponde a cerca de 65km!


Este é um caso de sucesso que alegrou todos os que colaboram com o RIAS na recuperação da fauna silvestre.

Libertação: 5 de Janeiro de 2011

Libertação de 1 Gaivota-de-cabeça-preta (Larus melanocephalus)
Quinta de Marim, Olhão

No passado dia 5 de Janeiro, o RIAS realizou a primeira libertação de 2011 ao devolver à Natureza uma Gaivota-de-cabeça-preta (Larus melanocephalus).

Este animal foi encontrado na ria junto à Quinta de Marim por um particular, que posteriormente conctactou os técnicos do RIAS. Após a sua recolha, a ave foi sujeita a um exame clínico, de onde se concluíu que esta se encontrava débil e desorientada, provavelmente devido às condições climatéricas. A ave foi mantida no internamento do centro de forma a obter algum descanço e alimentação. Dois dias depois e já com algumas forças recuperadas, foi transferida para uma das câmaras de recuperação, de modo a exercitar um pouco o seu voo.

Após a total recuperação foi devolvida à Natureza pelos técnicos que a recolheram.