O RIAS é o Centro de Recuperação e Investigação de Animais Selvagens da Ria Formosa e está localizado em Olhão. Desde meados de 2009 a sua gestão está a cargo da Associação ALDEIA, em parceria com o Instituto da Conservação da Natureza e das Florestas (ICNF) e a ANA-Aeroportos de Portugal, através do Aeroporto de Faro.

quinta-feira, 30 de dezembro de 2010

Libertação: 29 de Dezembro de 2010

Libertação de 8 Grifos (Gyps fulvus)
Serra de Alcaria Ruiva, Mértola

Um dos grifos que foi devolvido hoje à natureza estava em recuperação no RIAS há mais de um ano. Deu entrada neste centro após embater num aerogerador de um parque eólico na zona de Sagres. Por apresentar uma fractura numa das asas o seu processo de recuperação foi bastante demorado e consistiu em imobilização da asa numa primeira fase, seguido de fisioterapia, treinos de voo e alimentação adequada. Foi baptizado de Zé Carcaças.

Os restantes 7 grifos foram recolhidas por equipas SEPNA da GNR e por Vigilantes da Natureza das áreas protegidas, por se apresentarem debilitados e desnutridos. Foram encontradas por particulares em Lagos, Olhão, Silves, Loulé, Faro, Monchique e no Parque Natural do Sudoeste Alentejano e Costa Vicentina e encaminhadas pelas referidas entidades para o RIAS.
Neste centro, sofreram um processo de recuperação que consistiu em alimentação e hidratação, contacto com aves da mesma espécie e treinos de voo (no túnel de voo deste centro). Por se encontrarem aptos foram hoje devolvidos ao seu habitat natural, num local adequado à espécie.

Todos os grifos foram marcados com anilhas metálicas e anilhas PVC de cor vermelha com letras brancas, para que mais tarde seja possível identificá-los caso sejam avistados. Caso aviste algum animal marcado, por favor, envie-nos essa informação para rias.aldeia@gmail.com


(Fotografia cedida por: Marta Santos)




Libertação de 1 Milhafre-real (Milvus milvus)
Serra de Alcaria Ruiva, Mértola

O Milhafre-real (Milvus milvus) foi recolhido em Novembro na zona de Mértola por um Vigilante da Natureza do Parque Natural do Vale do Guadiana e encaminhada por este para o RIAS. Apresentava uma infecção oral que o impedia de se alimentar adequadamente e como tal estava bastante debilitado quando ingressou no RIAS.
O seu processo de recuperação consistiu em alimentação de modo a alcançar o peso adequado para a espécie e em treinos de voo. Foi baptizado de "Rápido" no momento da devolução à natureza.


(Fotografia cedida por: Marta Santos)



Estas libertações contaram com a colaboração do Parque Natural do Vale do Guadiana (ICNB), e com o apoio logístico da Câmara Municipal de Tavira, que providenciou o transporte destes animais, a quem desde já agradecemos.



Gostariamos também de agradecer à equipa SEPNA-GNR de Silves que nos forneceu caixas de transporte para as aves.

Sem comentários: