RIAS - Centro de Recuperação e Investigação de Animais Selvagens

O RIAS é o Centro de Recuperação e Investigação de Animais Selvagens da Ria Formosa e está localizado em Olhão. Desde meados de 2009 a sua gestão está a cargo da Associação ALDEIA, em parceria com o Instituto da Conservação da Natureza e das Florestas (ICNF) e a ANA-Aeroportos de Portugal, através do Aeroporto de Faro.

terça-feira, 16 de outubro de 2018

Muitos animais ingressados, algumas aves libertadas


Na semana passada, o número de aves que ingressaram no RIAS – Centro de Recuperação e Investigação de Animais Selvagens excedeu novamente o número de aves libertadas. Logo no Domingo, enquanto em Sagres um peneireiro-vulgar era devolvido à natureza durante o Festival de Observação de Aves e Actividades de Natureza, na Quinta de Marim cinco animais doentes ou feridos davam entrada nas instalações do RIAS. Ao longo da semana, foram admitidos 63 animais no RIAS, na sua maioria aves mas também quatro mamíferos. Embora 12 destes animais nos tivessem sido entregues sem vida, estes casos são importantes para que no RIAS sejam investigados os factores de risco para a conservação das populações selvagens destas espécies.

Cria de ouriço-cacheiro que ingressou no RIAS no dia 7 de Outubro.


A captura e abate ou cativeiro ilegal constitui uma grave ameaça à conservação de muitos aves, nomeadamente passeriformes. A lei institui a aplicação de coimas para estes casos, e caso tenha conhecimento de alguma situação deve denunciar a ocorrência ao Serviço de Proteção da Natureza e Ambiente (SEPNA/GNR). As situações em que a lei é aplicada são ainda uma minoria face à realidade nacional e, muitas vezes, quem captura aves continua a fazê-lo pensando que as suas acções ficarão impunes. Em consequência de uma apreensão realizada pelo SEPNA/GNR de Tavira a um particularna sexta-feira foram-nos entregues 17 aves engaioladas. Estas incluíam seis espécies de fringilídeos da avifauna selvagem de Portugal! Alguns pintassilgos, verdilhões, e um pintarroxo foram libertados imediatamente após o diagnóstico clínico, contudo duas milheirinhas, um tentilhão, um lugre, um pintarroxo e alguns pintassilgos e verdilhões permanecem em recuperação no RIAS, uma vez que as suas penas de vôo se apresentavam danificadas.

 Devolução à natureza de algumas aves apreendidas pelo SEPNA/GNR de Tavira.

Várias aves em recuperação no RIAS foram também devolvidas à natureza durante a última semana. Na terça-feira foi realizada a libertação conjunta de três gaivotas-de-patas-amarelas e duas gaivotas-d’asa escura, que ingressaram no RIAS neste final do verão e início de outono. No mesmo dia, um pato-trombeteiro que esteve em recuperação no RIAS durante cerca de um mês e meio, pôde voar para junto de outros patos, incluindo vários conspecíficos que invernam na lagoa da Quinta de Marim.

Devolução à natureza de um pato-trombeteiro junto à lagoa da Quinta de Marim.


Também uma cria de andorinhão-pálido que nos foi entregue após queda do ninho e foi alimentada quase incessantemente durante 15 dias, oferecendo-lhe larvas de insectos numa pinça, foi libertada e na quarta-feira pôde iniciar uma nova grande aventura... a sua primeira migração!

Devolução à natureza de uma cria de andorinhão pálido que esteve 15 em recuperação no RIAS.






sexta-feira, 12 de outubro de 2018

"Alojamento local para aves" entre os vencedores do OPP em 2018!

O projecto "Alojamento local para aves" do RIAS foi um dos vencedores do Orçamento Participativo Portugal (OPP) deste ano! O nosso projecto foi um dos 22 mais votados dentre os 691 projectos da 2ª edição do OPP, na qual se registaram aproximadamente 120 000 votos.


Um grande bem-haja ao Diogo pela disponibilidade em estar presente na cerimónia de entrega dos prémios, e um enorme OBRIGADO a todas as pessoas que votaram para que as aves tenham um lugar mais próximo no nosso quotidiano!